O pesquisador acadêmico argentino Ernesto Viglizzo apontou que as emissões biogênicas do gado nas Américas hoje não ultrapassam 3% das emissões globais; a referência às estatísticas da FAO.
De acordo com o acadêmico, as estatísticas da FAO mostram que as emissões biogênicas do gado nas Américas hoje não ultrapassam 3% das emissões globais e que essa porcentagem vem caindo constantemente ano após ano desde 1960.
De acordo com o acadêmico, as estatísticas da FAO mostram que as emissões biogênicas do gado nas Américas hoje não ultrapassam 3% das emissões globais e que essa porcentagem vem caindo constantemente ano após ano desde 1960.

“As emissões biogênicas do gado nas Américas hoje não ultrapassam 3% das emissões globais”.

O dado foi destacado por Ernesto Viglizzo, pesquisador do Conicet e da Academia Nacional de Agronomia e Veterinária no Pavilhão das Américas na Conferência da ONU sobre Mudança Climática, realizada nos Emirados Árabes Unidos no final do ano passado, e publicado pela Fundación Producir Conservando nos últimos dias.

Em sua explicação, o cientista disse que “alguns relatórios amplamente divulgados nas últimas duas décadas atribuem entre 14,5% e 18% das emissões globais de carbono à pecuária, grande parte dela devido ao gado”.

“Ao mesmo tempo, um estudo muito influente realizado em uma prestigiada universidade europeia mostra que a produção de carne bovina tem um custo muito maior em emissões de carbono do que a produção de cereais, oleaginosas, legumes, verduras, frutas e outros produtos vegetais”, disse ele.

No entanto, ele pediu mais pesquisas sobre o assunto porque “as emissões biogênicas do gado são devidas ao metano e ao óxido nitroso derivados de suas fermentações digestivas”.

“Por um lado, o metano, que é um potente gás de efeito estufa, tem uma persistência na atmosfera 100 vezes menor do que a do dióxido de carbono.

Por outro lado, o carbono que compõe a molécula de metano não é carbono fóssil, mas carbono reciclado. Em outras palavras, ele é extraído do ar pela fotossíntese das plantas e consumido pelo gado, que o devolve à atmosfera como metano. Quando há reciclagem, o balanço líquido de carbono é zero”, disse ele.

“Em termos reais, se analisarmos as estatísticas da FAO, as emissões biogênicas do gado nas Américas hoje não passam de 3% das emissões globais, e essa participação tem diminuído constantemente ano a ano desde 1960. Essa participação decrescente se deve ao aumento das emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis.

No entanto, as altas emissões atribuídas ao gado desencadeiam um ativismo agressivo por parte de algumas organizações sociais que combatem a produção animal e influenciam fortemente a opinião pública e as políticas ambientais e comerciais nos países desenvolvidos e em desenvolvimento”, acrescentou.

Ele disse que a pesquisa na Argentina mostra que “é possível diferenciar, por meio de métodos relativamente simples, os produtores que potencialmente geram créditos de carbono daqueles que não o fazem”.

“De uma amostra de 40 produtores de gado avaliados, um terço apresentou um ganho significativo de carbono, um segundo terço apresentou uma condição neutra e o terço final apresentou um saldo claramente negativo.

Isso nos permite concluir que é possível discriminar os produtores que ganham ou perdem carbono, que é possível valorizar aqueles que ganham carbono e que eles são parte da solução do problema”, disse ele.

Situação

Nesse contexto, ele enfatizou que “está sendo consolidada uma estratégia global de distração, visando penalizar a pecuária como uma das principais responsáveis pelo aquecimento global” e que algumas soluções simplistas que são propostas “visam reduzir significativamente o consumo de carne (especialmente a bovina) e reduzir de fato o estoque de gado nos países produtores”.

“Nenhuma dessas soluções serve bem aos Estados Unidos. Ambas deixam de considerar o papel econômico, ambiental e social que a pecuária desempenha nas Américas e em outras regiões do mundo.

Portanto, uma questão fundamental é não desviar o foco do problema, sobrecarregando o produtor de carne bovina com emissões fósseis deslocadas que não lhe pertencem.

Não vamos perder de vista o fato de que o problema do aquecimento global não é responsabilidade da pecuária, mas dos setores que consomem combustíveis fósseis, que hoje respondem por mais de 70% das emissões globais”, observou Viglizzo.

 

Pegada de carbono

Nesse cenário, ele destacou que a pecuária nas Américas enfrenta “o duplo desafio estratégico de harmonizar a segurança alimentar e a segurança climática global”. E esse desafio envolve duas coisas: “Por um lado, a captura de carbono e, por outro, a redução das emissões.

E isso requer duplo crédito. O carbono capturado deve ser creditado como uma mercadoria comercializável, como carne, leite e grãos.

Com relação às reduções de emissões, ele enfatizou que a região deve ser incluída em projetos que certificam “créditos de redução de emissões”. “Ambos os mecanismos, que são implementados em conjunto, são facilmente integrados à noção de balanço de carbono.

O mesmo não acontece com a noção de pegada de carbono. Isso não significa promover uma métrica em detrimento da outra, mas dar ao balanço de carbono e à pegada de carbono o mesmo status conceitual nos fóruns internacionais. Nas Américas, o balanço de carbono é implementado por meio de um conjunto de abordagens e tecnologias de produção, muitas das quais estão em vigor há décadas”, disse ele.

 

Porcentagem de emissões de carbono do gado bovino americano como proporção das emissões globais.

Com relação ao ganho de carbono, ele disse que isso inclui novos sistemas silvo-pastoris, emendas orgânicas, culturas de cobertura, intemperismo de rochas para capturar o carbono atmosférico e incorporação de carbono vegetal (biochar).

Em termos de mitigação, ele enfatizou a necessidade de promover o uso de leguminosas forrageiras para substituir os fertilizantes nitrogenados, a semeadura direta para minimizar as tarefas que consomem combustível fóssil, a produção de biofertilizantes e biogás a partir de fezes e urina, a fabricação de fertilizantes a partir de energias renováveis, o uso de seleção genética bovina e aditivos alimentares que reduzem as emissões de metano em ruminantes e a minimização de perdas e desperdícios de alimentos.

“O saldo positivo gera um crédito de carbono que pode ser certificado e valorizado comercial e socialmente”, disse ele.

“Embora o progresso na aplicação dessas abordagens e tecnologias não seja homogêneo nas Américas, está claro que se iniciou um processo promissor, que pode ser replicado em vários países e que não será revertido se as condições globais o favorecerem”, concluiu.

 

Veja também

Claro que nem preciso contar que por trás dessa agenda tem um nome bem conhecido, cujas aplicações renderão, com toda certeza, rios de dinheiro para o onipotente investidor da agenda da Organização das Nações Unidas, ONU – Bill Gates.  O que tem de bom aí para nós? Provavelmente nada, e muito embora a abordagem seja “vendida” como sustentável e boa para o planeta, temo que para nós, humanos, não seja assim tão maravilhoso o caminho trilhado.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER