Já imaginou comer uma pizza saborosa que ajude a ganhar mais disposição e massa muscular nos treinos? Dois personal trainers se uniram num novo negócio e criaram a Pizzaria Di Monstro, em São Paulo, que vende pizzas com massa à base de whey protein, suplemento de proteína do soro de leite, bastante utilizado por quem faz musculação e atividades físicas intensas.
Sugestão da casa é o "Quarteto Monstro", dividido em quatro sabores
Com isso, os clientes podem comer aquela pizza com massa sequinha e crocante e seguirem focados no treino sem peso na consciência. Os sabores que têm mais saída são os que têm nomes que fazem alusão ao universo fitness. Di Monstro, o carro-chefe da casa, sai por R$ 76 e é preparada com molho de tomate artesanal, frango, milho, muçarela light, cream cheese, fatias de bacon e manjericão.

Há ainda sabores proteicos que custam R$ 66: da Nutri (molho de tomate, peito de peru, mussarela light, cream cheese, tomate seco e manjericão), Pump (molho de tomate artesanal, frango, mussarela light, cream cheese, tomate seco e manjericão) e Fat+Fit (molho de tomate, calabresa, cebola fatiada e mussarela light).

A casa serve ainda as pizzas sabores Leg Day, Maromba, BodyBuilder e Six Pack (alusão aos seis gomos de um abdômen esculpido), entre outros.

A sugestão da casa é o “Quarteto Monstro”, que é dividido em quatro sabores: Di Monstro; Da Nutri; Proteína Pura; Do Hulk e custa R$ 79,90. O cliente pode optar além da massa proteita pela tradicional e integral. E se bateu vontade de uma sobremesa, a pizzaria vende pizzas sabor brigadeiro proteico, Sensação de proteína (base da pizza de chocolate proteico Di Monstro coberta com morangos), dentre outros.

“Em geral, buscamos equilibrar os sabores e a crocância, e optar por ingredientes mais light no todo”, explicou Rafael Vieira, 38 anos, um dos sócios, à revista “Pequenas Empresas & Grandes Negócios”.

Três pizzarias brasileiras estão entre as 100 melhores do mundo

Veja também

Claro que nem preciso contar que por trás dessa agenda tem um nome bem conhecido, cujas aplicações renderão, com toda certeza, rios de dinheiro para o onipotente investidor da agenda da Organização das Nações Unidas, ONU – Bill Gates.  O que tem de bom aí para nós? Provavelmente nada, e muito embora a abordagem seja “vendida” como sustentável e boa para o planeta, temo que para nós, humanos, não seja assim tão maravilhoso o caminho trilhado.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER