Enquanto os amantes de queijo procuram frequentemente a perfeição no sabor e na textura, um produtor avalia o efeito de uma banda sonora durante a produção: poderá a música transformar o aroma e o sabor de um dos queijos icónicos da Suíça?
queijo

A música tem um efeito poderoso no estado de espírito das pessoas. Faz-nos sentir felizes, tristes, zangados, relaxados ou qualquer outra emoção. Mas o poder da música não ressoa apenas nos nossos ouvidos, também pode influenciar o mundo do queijo, de acordo com um excêntrico produtor de queijo suíço.

Nas entranhas de uma adega do século XIX, em Burgdorf, na Suíça, o entusiasta do queijo Beat Wampfler realiza uma experiência muito peculiar. Entre as formas perfeitas do queijo Emmental, Wampfler toca uma grande variedade de música.

A sua adega, impecavelmente limpa, contém nove caixas de madeira abertas com os respectivos queijos de 10 quilos no interior e pequenos altifalantes de música por baixo. Segundo ele, factores como a música podem ter efeitos físicos na maturação e nas características do queijo.

Sob a premissa do projeto “Sonic Cheese: Experiência entre som e gastronomia”, Wampfler procura desafiar a noção convencional da formação do sabor do queijo. “As bactérias são responsáveis pelo sabor do queijo”, diz ele. “As bactérias também vivem como nós. São influenciadas pela humidade e pela temperatura – porque não haveriam de reagir também à música? Era esta a hipótese.”

Embora a ideia de relacionar o rock ‘n’ roll com o sabor do queijo possa parecer fantasiosa, a comunidade científica tem vindo a explorar o efeito do som numa variedade de organismos há anos, desde plantas a estudos que sugerem que a música clássica pode influenciar o desenvolvimento de bebés em gestação.

Música para os meus queijos

Os queijos foram expostos a loops intermináveis de 24 horas de rock (Stairway to Heaven dos Led Zeppelin), música clássica (A Flauta Mágica de Mozart) e hip hop (Jazz dos A Tribe Called Quest), entre outros géneros musicais, enquanto um queijo ficou simplesmente em silêncio. Isto repetiu-se durante 6 meses.

O queijo “clássico” ouviu os sons de A Flauta Mágica de Mozart. O queijo “rock” ouviu “Stairway to Heaven” dos Led Zeppelin. Um queijo ambiente ouviu “Monolith” de Yello, o queijo hip-hop foi exposto a “Jazz (We’ve Got)” de A Tribe Called Quest e o queijo techno delirou ao som de “UV” de Vril. Um queijo de controlo envelheceu em silêncio, enquanto três outras rodas foram expostas a sons simples de alta, média e baixa frequência.
A Universidade das Artes de Berna apoiou esta experiência, colaborando para compreender o impacto que os diferentes géneros musicais podem ter no sabor do queijo. “Estávamos cépticos no início”, admite Michael Harenberg, o diretor musical da universidade, mas o campo da sonoquímica demonstrou como as ondas sonoras influenciam os sólidos.

Um ritmo vencedor

Num sentido bastante literal, tocar a melodia certa enquanto a dança entre o leite e as bactérias está a decorrer altera definitivamente o sabor do produto final. Após vários meses, os queijos foram testados por técnicos alimentares.

 

experimento, suiza
O produtor de queijo suíço Beat Wampfler (à esquerda) e o Diretor do Departamento de Música (à direita).

Quais foram as vossas conclusões? O queijo hip-hop foi o melhor, pois tem um aroma e um sabor mais forte do que os outros. “O hip-hop, por exemplo, deu ao queijo um sabor particularmente funky, enquanto o queijo que tocava Led Zeppelin ou era relaxado com Mozart tinha um sabor mais suave”, explicaram os tecnólogos.

“Parece ser necessário muito poder para influenciar as bactérias e muita repetição”, disse Wampfler. “Muitas pessoas descreveram o sabor do queijo hip-hop como mais doce, com um agradável sabor a fruta”.
De seguida, um júri de especialistas culinários provou os queijos durante duas rondas de provas cegas. Os seus resultados foram semelhantes às conclusões do grupo de investigação e o queijo hip-hop ficou em primeiro lugar.

Agora, o produtor quer expor o queijo a cinco a dez tipos diferentes de hip-hop para ver se tem efeitos semelhantes. Wampfler também explica que acredita que os queijos serão comercializados com base também na música que amadureceram. Diz já ter recebido telefonemas de pessoas a pedir queijo curado ao som de blues, música dos Balcãs e AC DC”.

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER