O principal catalisador dessa discussão é o TikTok. A plataforma abarca vídeos de pessoas criticando consumidores de leite de vaca, ao mesmo em que aceita respostas de usuários a favor da bebida
leite
"'milk shaming': bullyng contra pessoas que bebem leite de vaca"

Uma nova corrente circula nas redes sociais: bullyng contra pessoas que bebem leite de vaca. Conhecido como ‘milk shaming’, o fenômeno se tornou tão grande que tem gerado campanhas publicitárias da indústria pecuária para defender a bebida.

Jovens rejeitam o consumo de leite após movimento nas redes sociais
Jovens rejeitam o consumo de leite após movimento nas redes sociais

Foto: Canva Fotos / Perfil Brasil

O principal catalisador dessa discussão é o TikTok. A plataforma abarca vídeos de pessoas criticando consumidores de leite de vaca, ao mesmo em que aceita respostas de usuários a favor da bebida. “Isso precisa parar. Me recuso a ser julgado por tomar um ‘latter’ com um pingo de leite”, disse um internauta.

Outra criadora de conteúdo postou um clipe bebendo leite e argumentou que um copo tem metade da dose diária recomendada de vitamina D. Como os nutrientes “deixam você feliz”, consequentemente, a bebida poderia ajudar pessoas com depressão. Apesar de ter recebido comentários positivos, os feedbacks negativos marcaram presença.

Os usuários rejeitaram o hábito por uma série de fatores. Saúde, por exemplo, é um deles. “Meu tio fez isso e desenvolveu uma diabetes horrível”, diz um comentário. A biologia é outro: “Leite não é só para bebês? Acho que os humanos são a única espécie que consome depois de adulto”.

Alguns apelaram para a realidade por trás da indústria animal. “Isso é tão antiético”, afirma outro usuário.

O grupo “anti dairy”

A pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Gado de Leite e membro da International Milk Promotion, Kennya Siqueira, defende que esse movimento tem raízes profundas em entrevista ao G1. De acordo com ela, esse conflito é o resultado de um marketing feito contra a indústria láctea nos Estados Unidos.

O movimento tem três argumentos principais contra o consumo da bebida: seu impacto no meio ambiente, os maus tratos aos animais na produção em massa, e a dificuldade do corpo humano adulto em ingerir leite.

Argumentos contra o leite

Conforme Renata Potenza, pesquisadora do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), o efeito estufa é reforçado principalmente pela criação de gado para a produção de carne. A pecuária é responsável por pelo menos 12% das emissões de gás da atividade humana, segundo o relatório das Nações Unidas publicado em dezembro do ano passado sobre 2015.

Dentro da pecuária, o gado bovino é o maior emissor de metano e dióxido de carbono (67%). A produção de leite vem em seguida, com 30% dessas emissões. No caso do Brasil, a pecuária bovina provoca oito vezes mais gases do que a indústria do leite, revela o Observatório do Clima através do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), uma iniciativa do Observatório do Clima.

Sobre o tratamento dos animais, Kennya Siqueira informa que, atualmente, a maior parte dos produtores valoriza o bem-estar do animal porque isso melhora a qualidade do leite produzido. O Brasil já legisla em torno da proteção animal desde 1934. O Decreto nº 24.645, por exemplo, proíbe que os bichos realizem trabalhos excessivos.

Finalmente, em relação ao corpo humano, a intolerância ao leite pode acontecer por uma série de fatores: qualidade da bebida, genética, predisposição bioquímica, entre outros. Isso não significa que todos os adultos devem evitar a bebida. O líquido é bem nutritivo, porque, quando produzido adequadamente, carrega proteína, cálcio, vitaminas e minerais.

Geração Z

A rejeição ao leite está ligada com movimento sociais e culturais. Para Siqueira, o ‘milk shaming’ está relacionado com um conflito geracional maior. Os maiores defensores de alternativas ao leite são a geração Y e Z em decorrência do seu compromisso com a causa ambiental.  “À medida que essa informação de que o leite é ruim para o meio ambiente foi disseminada, eles compraram muito essa ideia”, explica.

Em uma tentativa de reverter a má reputação do leite, o setor leiteiro estadunidense tem investido em campanhas de conscientização sobre a bebida. É o caso da “OK2Milk”, divulgada em diversas plataformas e estrelada pela artista, atriz e comediante Queen Latifah. Apoiado pelo Departamento de Agricultura dos EUA, o conteúdo traz formas de refutar pessoas que condenam consumidores de leite, além de informações nutricionais.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER