Estudo sobre os desafios do setor foi tema de seminário apresentado na Expoagro Afubra
"Observamos que aqueles produtores que continuaram na atividade, estão investindo em tecnologia, equipamentos e conhecimento. E isso tem levado a um ganho de produtividade" Foto: Fernando Dias/Ascom Seapi
Os desafios da pecuária de leite no Rio Grande do Sul foram tema de um seminário promovido pela Emater/RS-Ascar na manhã dessa quarta-feira, 20, no auditório central da Expoagro Afubra. Na ocasião, o assistente técnico estadual de Bovinos de Leite da entidade, Jaime Ries, e o extensionista rural Diego Barden dos Santos apresentaram um estudo detalhado com dados do setor. Com base nos indicadores, Ries constatou que a produção encontra-se estagnada há quase uma década. Entre 2015 e 2023, 51 mil produtores abandonaram a atividade. O número corresponde a 60,8% do total.

A pesquisa da Emater identificou que o preço do leite é a principal dificuldade para quase metade (49%) dos produtores gaúchos entrevistados. Além disso, são apontados entre os principais desafios a mão de obra (45,9%), custos de produção (42,11%) e sucessão familiar (41,91%).

O rebanho leiteiro também reduziu nos últimos anos. Entre 2015 e 2023, foram 404 mil animais a menos nas propriedades gaúchas. Conforme o levantamento, a produtividade aumentou para 4,58 litros de leite por dia, um acréscimo de quase 40%. “Observamos que aqueles produtores que continuaram na atividade, estão investindo em tecnologia, equipamentos e conhecimento. E isso tem levado a um ganho de produtividade”, explicou Ries.

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER