A reciclagem de metais a partir de resíduos eletrônicos antigos é cara e, em grande escala, muitas vezes requer grandes quantidades de energia e equipamentos caros para ser reciclada de forma eficiente.
leite
"uma esponja orgânica feita dessas proteínas do soro do leite é excelente na extração de metais de componentes eletrônicos"
No entanto, os cientistas descobriram que uma proteína derivada do soro do leite é capaz de recuperar ouro de resíduos eletrônicos, tornando o processo de reciclagem muito mais eficiente. Com esse subproduto, o custo energético de todo o processo de reciclagem pode ser 50 vezes menor do que o valor do ouro extraído dos componentes eletrônicos. A equipe descobriu que poderia extrair cerca de 450 mg de ouro de 20 placas-mãe usando esse método.

Esse material orgânico inovador vem na forma de proteínas do soro do leite, um subproduto da indústria de laticínios. O cientista Raffaele Mezzenga, do Departamento de Ciências e Tecnologia da Saúde, descobriu que uma esponja orgânica feita dessas proteínas do soro do leite é excelente na extração de metais de componentes eletrônicos. Para criar essa esponja, as proteínas do soro são desnaturadas em um banho ácidos e altas temperaturas, transformando a substância em gel. Em seguida, o gel é seco e transformado em uma esponja feita das fibrilas da proteína do soro do leite.

Para extrair os metais preciosos da esponja, ela é aquecida a uma temperatura que faz com que os íons de ouro se transformem em flocos e possam ser facilmente removidos da esponja. Nos testes, Mezzenga e sua equipe conseguiram extrair cerca de 450 mg de ouro de 20 placas-mãe usando esse método.

A esponja proteica de Mezzenga tem um grande potencial. Os cálculos do cientista indicam que os custos de obtenção de matérias-primas e o consumo energético de todo o processo de extração são 50 vezes menores do que o valor do ouro que pode ser recuperado. Se produzida em larga escala, essa técnica deve reduzir significativamente as demandas energéticas das centrais de reciclagem devido à natureza orgânica do processo de extração.

Mezzenga e sua equipe planejam desenvolver a tecnologia para comercializá-la para clientes no mercado de resíduos eletrônicos. No entanto, não há uma data definida para quando isso ocorrerá. Os cientistas também pretendem investigar se podem produzir esponjas de proteína a partir de outros subprodutos ou resíduos da indústria alimentar.

Essa inovação tem o potencial de mudar drasticamente a forma como os resíduos de computadores ricos em ouro são processados. Atualmente, o lixo eletrônico está se tornando uma das maiores indústrias lucrativas não exploradas do mundo. Startups de reciclagem de lixo eletrônico estão lucrando US$ 85 mil por dia com a reciclagem de ouro e cobre de resíduos eletrônicos. Conforme essa indústria crescer nas próximas décadas, os recicladores buscarão formas mais eficientes de processar esses resíduos eletrônicos. A tecnologia de esponja de Mezzenga oferece exatamente isso.

 

 

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER