Inteligência de dados lançada pela Emater/RS-Ascar na Expoagro Afubra analisa produção de cada propriedade leiteira com foco na produtividade e rentabilidade
leite
"Indicadores divulgados em Rio Pardo auxiliam na gestão da produção familiar"| Foto: Emater/RS-Ascar / Divulgação / CP
Produtores de leite do Rio Grande do Sul dispõem, agora, de uma ferramenta para tornar sua propriedade mais eficiente na produção e na qualidade do leite. Trata-se da Avaliação de Eficiência das Propriedades Leiteiras, uma inteligência que analisa informações específicas de cada negócio e as compara com referências do setor no Estado.

O objetivo é que os resultados sirvam para auxiliar os produtores nas de decisões, com foco em ampliar a produtividade leiteira e a rentabilidade da atividade. A novidade foi anunciada pela Emater/RS – Ascar, nesta quarta-feira (20/3). na primeira edição do Seminário Pecuária de Leite do Rio Grande do Sul, realizado na 22ª Expoagro Afubra, em Rio Pardo.

A ferramenta é composta por 11 indicadores que servem de base para a avaliação da eficiência produtiva de cada empreendimento. “Esta nota é baseada numa escala feita a partir de um levantamento estadual”, explica o extensionista da Emater/RS-Ascar, Diego Barden dos Santos.

“De uma maneira geral, os produtores de leite não conhecem seus números. Se conhecem, não sabem fazer as correlações necessárias”, disse o engenheiro agrícola no Auditório Central do Parque de Exposições da Afubra.

Indicadores de eficiência

  1. Número total de vacas por pessoa (envolvida na produção leiteira)
  2. Litros de leite produzidos por pessoa/dia
  3. Número total de vacas por hectare utilizado
  4. Litros de leite produzidos por hectare ao ano
  5. Litros de leite produzidos por vaca ao dia
  6. Litros de leite produzidos por quilo de concentrado fornecidos às vacas em lactação
  7. Litros de leite produzidos por propriedade ao dia
  8. Contagem de células somáticas do leite
  9. Contagem bacteriana total do leite/contagem padrão em placas
  10. Porcentagem de vacas no rebanho
  11. Porcentagem de vacas em lactação

Escala de avaliação

  • 1 e 2: muito baixa
  • 3 e 4: baixa
  • 5 e 6: média
  • 7 e 8: alta
  • 9 e 10: muito alta

O sistema de avaliação será disponibilizado por meio dos escritórios regionais da Emater/RS-Ascar. Os extensionistas orientarão os produtores no preenchimento dos dados e os acompanharão na obtenção dos resultados.

“O técnico da Emater vai orientar o produtor para encontrar o caminho a seguir naqueles indicadores que estão aquém da média estadual. Queremos ajudá-lo a melhorar seus indicadores”, garante Santos.

O seminário também serviu de palco para divulgação do Relatório Socioeconômico da Cadeia Produtiva do Leite, elaborado a cada dois anos e apresentado na Expointer de 2023. Segundo a Emater/RS-Ascar, 33 mil produtores gaúchos seguem na atividade, quantidade 60,78% menor que a de 2015, de 84,19 bovinocultores de leite. Na mesma base comparativa, no entanto, o volume de leite anual do Rio Grande do Sul reduziu 8,9%. “Os números evidenciam que quem permanece na atividade empenha-se em trabalhar de forma a qualificar seus indicadores”, afirmou o assistente técnico de Bovinos de Leite da Emater/RS-Ascar, Jaime Ries.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER