Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Neri Geller, diz, no Show Rural Coopavel, que problema do setor é estrutural.
alíquota
“Temos uma parceria com o Mercosul. Não podemos fazer uma intervenção irresponsável para salvar produtores de leite”.
O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), Neri Geller, disse, durante o Show Rural Coopavel, que o Brasil não pode entrar com alíquota na importação de leite.

“Temos uma parceria com o Mercosul. Não podemos fazer uma intervenção irresponsável para salvar produtores de leite”, frisou.

Geller (D) foi recebido pelo presidente da Coopavel, Dilvo Grolli (C), e pelo vice-governador do Paraná, Darci Piana | Foto: Show Rural Coopavel / Divulgação / CP

Segundo ele, o governo adotou medidas que beneficiam os produtores e a indústria de leite. Além dos benefícios fiscais para os laticínios que adquirirem matéria-prima nacional, Geller citou a linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) específica, de mais de R$ 2 bilhões, anunciada para cooperativas.

O secretário ainda salientou que outras medidas foram tomadas pelo Executivo, como as aquisições de leite para fomentar o mercado interno, por meio do programa de Aquisição de Alimentos (PAA), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

“Essas ações vão amenizar (a situação do setor), mas o problema nosso é estrutural. Vamos discutir com cooperativas programas de correção de solo para aumentar produtividade, fazer melhorias em genética para sermos competitivos no mercado internacional. O leite ainda, infelizmente, é uma atividade que está aquém da produção internacional. Vamos estar atentos, sem fazer loucura”, destacou.

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER