O preço do queijo, que deve subir significativamente na Argentina.
queijo
CARO LEITOR: EU SUGIRO UM INVESTIMENTO: ESTOQUE EM QUEIJO!
Um belo livro de S Johnson se intitula ¿Quién se ha llevado mi queso? Lá o problema era lidar com a mudança no trabalho e na vida. Vou me referir apenas ao preço do queijo, que deve subir significativamente na Argentina.

As fazendas de laticínios estão enfrentando uma seca murcha e custos crescentes de ração substituta de grama, aumento dos custos de eletricidade para resfriamento, mão-de-obra, processamento, logística e distribuição. Se houver problemas de alimentação, é provável que algumas vacas não parirão no próximo ano, portanto, a produção pode diminuir.

O processamento do leite precisa de embalagens, mas além dos problemas de custo, sabemos que existem restrições às importações que vão desde alguns insumos utilizados em embalagens plásticas até a TetraBrick. Se você produz queijo, que precisa de um longo tempo de processamento, o impacto da taxa de juros é muito grande: você tem que pagar por seus insumos hoje, mas venderá em alguns meses e será pago ainda mais tarde, com o conseqüente custo financeiro.

Naturalmente, ele cobrará o que o governo determinou como preços justos se ele constar dessa lista. O aumento dos custos e os preços “justos” são uma catástrofe para a rentabilidade. Se você exporta, cobrando com o dólar oficial que se move a uma taxa mais lenta do que os custos, estes problemas são ainda maiores.

Este quadro econômico é semelhante a muitos outros setores. Neste caso, posso acrescentar um detalhe surpreendente: as dificuldades na importação de sêmen. Sim, cavalheiros. Lembro que esta é uma coluna de economia e não me inclinei para nada erótico. Acontece que o sêmen importado permite a manutenção dos mais altos padrões genéticos e é comprado “sexuado”, ou seja, com a quase certeza de que nascerão fêmeas que serão futuras mães. Se este não for o caso, e a Mãe Natureza for usada em vez deste sêmen… então no próximo ano apenas metade dos nascimentos serão de fêmeas! Espero que o leitor não precise de mim para explicar as razões.

O exemplo do queijo serve apenas para mostrar que existem sérias dificuldades de produção, aumentos de custo e problemas com vendas e exportação. É verdade que o sêmen sexuado é apenas para este setor, mas para cada um deles o seu. Em todos os setores há estrangulamentos que dificultam a produção.

Em uma economia hiper-regulamentada, onde o governo decide custos e preços, administra discretamente impostos, salários e bônus de final de ano, a empresa só pode se ajustar por quantidade a fim de sobreviver. Em alguns casos, contornar os regulamentos (e impostos) é a única solução, o que é extremamente injusto para aqueles que tentam cumprir com as leis.

Alguns leitores pensarão em estocar queijo, outros mudarão sua dieta, outros ficarão felizes por não estarem nesse setor, mas o problema subjacente é que nenhum país no mundo pode acompanhar a quantidade de regulamentações que a Argentina possui.

Nossos regulamentos são apenas a ponta do iceberg do problema que aflige a economia argentina. Temos um gasto público muito alto – e ineficiente – que requer uma grande carga tributária, que é insuficiente e como resultado temos um déficit que é financiado pelas emissões.

Esta emissão tem um impacto significativo nos preços, que o governo está tentando moderar com medidas que tornam as coisas ainda mais difíceis para os produtores, tais como preços justos, ou que distorcem mercados com intervenções sistemáticas e obscuras nos mercados de câmbio. Elas afetam a economia e impedem o crescimento.

Nossos gastos públicos precisam ser racionalizados urgentemente. Ela deve ser eficiente, focalizada nas atividades de um estado moderno e transparente. Creio que não faz sentido adiar o aumento das pensões ou obras públicas para reduzir os gastos, pois isso é injusto e, por sua vez, afeta a capacidade de produção, em um círculo vicioso inexorável.

Um Estado muito mais eficiente e focalizado, com impostos razoáveis e menos regulamentação, deveria ser o objetivo das políticas públicas. Caso contrário, ficará muito claro quem levou nosso queijo.

Leia também: La vuelta al mundo en 80 quesos – eDairyNews-ES

Veja também

Os produtores de leite no Brasil enfrentam incertezas com os preços em baixa e as importações. Na análise do secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul, Darlan Palharini, a recuperação da cadeia produtiva vai depender da melhoria nos custos de produção.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER