O estudo foi realizado pelo IBM com 5 mil executivos globais
“Implementar sustentabilidade significa tirá-la de seu nicho isolado e integrá-la ao longo de todas as unidades de negócios. Isso impulsiona um maior impacto a partir da inovação, do talento e do meio ambiente para os resultados financeiros”
Líderes (79%) concordam que a sustentabilidade é central para suas estratégias de negócios, de acordo com dados do estudo realizado pelo IBM Institute for Business Value. O levantamento mostra que a mesma porcentagem de executivos está de acordo que a sustentabilidade gera melhores resultados.

O estudo foi realizado por meio de dados coletados de 5 mil executivos globais, incluindo do Brasil, e aponta que, enquanto a maioria das organizações reconhece a sustentabilidade como importante para sua estratégia de negócios, 40% dos executivos enfrentam desafios para financiar tais investimentos.

“A abordagem de sustentabilidade de uma organização pode deter seu avanço. No Brasil, os gastos em relatórios de sustentabilidade excedem os gastos de inovação em sustentabilidade em 46%. Não há uma correção rápida, pois a sustentabilidade requer intencionalidade”, afirma Carlos Tunes, líder de Software de Sustentabilidade do IBM Brasil.

Um terço (35%) dos executivos entrevistados no Brasil afirma que registraram progressos na execução de suas estratégias de sustentabilidade, um importante incremento comparado com os 7% do ano passado.

As companhias que adotam estratégias sustentáveis mais profundamente em suas operações mostram um avanço em seus resultados no País. Por exemplo, elas são 117% mais propensas a atribuir uma melhora em suas receitas a partir de seus esforços de sustentabilidade e são 96% mais propensas a ultrapassarem seus pares em rentabilidade no Brasil.

“Implementar sustentabilidade significa tirá-la de seu nicho isolado e integrá-la ao longo de todas as unidades de negócios. Isso impulsiona um maior impacto a partir da inovação, do talento e do meio ambiente para os resultados financeiros”, conclui Tunes.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER