Maior estudo do gênero tabulou auditorias feitas em 5 anos em 84 países e identificou as pegadas dos gigantes de alimentos, bebidas e tabaco, escreve Mara Gama
plástico
"Os resultados do estudo agora publicado reforçam a tese de que é necessário priorizar a redução da produção de plásticos, a proibição de itens de uso único e o estabelecimento de mecanismos eficazes de responsabilidade corporativa"
Um estudo publicado pela revista Science Advances mostra que mais da metade dos plásticos coletados no meio ambiente vem de apenas 56 empresas. No top 5 estão as gigantes de alimentos, bebidas e tabaco: a Coca-Cola Company foi responsável por 11% dos resíduos de marca encontrados, seguida por PepsiCo (5%),  Nestlé (3%),  Danone (3%)  e Altria/Philip Morris International (2%).

A divulgação da pesquisa coincide com a semana da 4ª rodada de negociações para a elaboração de um Tratado Global sobre Plásticos, internacional e vinculativo, organizado pela ONU, que é realizada até a 3ª feira (30.abr.2024), em Ottawa, no Canadá.

O estudo tabulou dados obtidos em 1.576 eventos de auditoria de marcas durante 5 anos, em 84 países. Segundo os pesquisadores, é o melhor conjunto de dados global disponível para a ciência sobre a relação entre a produção de plástico e a poluição. Ao todo, foram identificadas mais de 28.570 marcas.

As auditorias de marcas são coletas de resíduos em áreas demarcadas com posterior identificação, quantificação e catalogação. Elas foram feitas por mais de 200 mil pesquisadores ligados à ONG Break Free From Plastic (BFFP, Liberte-se do Plástico), em locais como praias, parques, rios e mangues. O estudo envolveu cientistas de universidades em Estados Unidos, Austrália, Filipinas, Nova Zelândia, Estônia, Chile, Suécia, Canadá e Reino Unido.

Segundo os pesquisadores, o estudo sugere que deve haver uma mudança na regulação dos produtores e empresas que os utilizam para embalar seus produtos. “A ação destas empresas, seja voluntária ou determinada pelos governos ou por um instrumento internacional juridicamente vinculativo, pode resolver positivamente o problema”, afirma o estudo.

“A forte relação linear entre a produção de plástico e a poluição por plásticos de marca, através de geografias e sistemas de gestão de resíduos variados, sugere que a redução da produção de plástico é uma solução primária para reduzir a poluição por plástico.  Os gestores de marcas de produtores e os decisores políticos devem dar prioridade a soluções que reduzam a produção de plástico”, observam os pesquisadores.

O estudo também indica que a prevalência de empresas de alimentos e bebidas mostra que as embalagens descartáveis contribuem massivamente para a poluição plástica e conclui que os sistemas de gestão de resíduos são insuficientes para eliminar as emissões de plástico para o ambiente.

Para a ativista Sybil Bullock, gerente de campanhas da BFFP, o estudo prova o que comunidades afetadas pela poluição plástica vêm dizendo há anos: quanto mais plástico é produzido, mais plástico é encontrado no meio ambiente.

Segundo ela, os poluidores de plástico como as gigantes de alimentação e bebidas Coca-Cola Company, PepsiCo e Nestlé continuam a falhar nos seus compromissos voluntários de reduzir a sua pegada plástica. “Precisamos de um Tratado Global sobre Plásticos que imponha cortes significativos na produção de plástico e impeça as empresas de inundar o planeta com plástico de utilização única”, disse.

Mais de 50% dos artigos de plástico encontrados não tinham identificação possível. Baseando-se nessa lacuna de informação, os pesquisadores indicam a necessidade de melhorar a transparência sobre a produção e rotulagem de produtos e embalagens, para facilitar a rastreabilidade e a responsabilização.

“Sugerimos a criação de uma base de dados internacional e de acesso aberto, na qual as empresas sejam obrigadas a rastrear e reportar quantitativamente os seus produtos, embalagens, marcas e disposições no ambiente”, dizem. Também recomendam o desenvolvimento de padrões internacionais em torno da marca das embalagens para facilitar a sua identificação.

Na conclusão do estudo, os autores afirmam que abordar eficazmente a poluição global por plásticos exige que empresas reduzam os plásticos nos seus produtos, evitem itens de uso único, planejem produtos mais duráveis com maior capacidade de reutilização, reparação e reciclagem, usem alternativas não plásticas com melhores comportamentos ambientais.

Além disso, defendem que os modelos de consumo sejam revistos, com uso de sistemas de distribuição como as recargas de vasilhames, que diminuem a poluição.

Publicado em 2020, o estudo “Crescimento previsto dos resíduos plásticos excede os esforços para mitigar a poluição plástica” já apontava que os esforços necessários para reduzir as emissões de plástico até 2030 teriam de ser “extraordinários” e que o aumento da capacidade de gestão de resíduos não conseguiria acompanhar o crescimento da produção de resíduos plásticos.

“A menos que o crescimento da produção e utilização de plástico seja interrompido, é essencial uma transformação fundamental da economia do plástico para um quadro circular, onde os produtos plásticos em fim de vida sejam valorizados em vez de se tornarem resíduos”, afirmava a análise.

Veja também

Nunca se deve deixar os queijos abertos dentro do refrigerador porque as propriedades frias, porém secantes, destes aparelhos não são boas para o produto.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER