O clima sempre mudou, o que não mudou é o quão crucial é a contribuição daqueles que produzem alimentos para a nossa sobrevivência na terra.
clima
Se reduzíssemos para metade a quantidade de C02 na atmosfera, acabaríamos com as plantas terrestres, porque o C02 é alimento vegetal. Não é um poluente.
O IPCC diz que 3% das emissões anuais são antropogénicas. Porque é que são 3% que impulsionam as alterações climáticas e não os outros 97%? Porque é que as formas como os nossos alimentos são produzidos estão sob ataque, impulsionando-os para metodologias medievais, tempos de fome e morte?

O clima sempre mudou, e no passado mudou mais e mais rapidamente do que imaginamos.

O nível do mar sempre se alterou, e não apenas os dois milímetros de que hoje nos estamos a passar, mas houve mudanças de até 1500 metros.

A atmosfera tem agora menos de 0,04% de C02 do que alguma vez teve na história do tempo, e para onde foi todo esse C02? Entrou em giz, conchas, calcário e vida, e só temos vindo a sequestrar o C02 da atmosfera há 2,5 mil milhões de anos!

O C02 é um gás natural, que dominou a atmosfera durante muito tempo, e que se encontra agora a um nível perigosamente baixo. Se reduzíssemos para metade a quantidade de C02 na atmosfera, acabaríamos com as plantas terrestres, porque o C02 é alimento vegetal. Não é um poluente.

Estamos actualmente numa era do gelo, que começou há 34 milhões de anos, quando a América do Sul se separou da Antárctida. Durante menos de 20% desse período, o planeta foi muito frio. Para os restantes 80%, o clima tem sido mais quente e húmido e tem havido mais C02 na atmosfera. E o que fez a vida? Prosperou.

Seis das seis grandes Idades do Gelo começaram quando o conteúdo de C02 na atmosfera era mil vezes maior do que é hoje. Não há provas, que não estejam falseadas, de que o C02 tenha influenciado o clima.

O principal motor do clima é o sol. A nossa órbita muda de elíptica para circular, e temos um ciclo de 90.000 anos de frio e 10.000 anos de calor. Estamos agora num desses ciclos quentes.

A cada 43.000 anos, o eixo da Terra muda um pouco. E a cada 21.000 anos temos um pouco de oscilação. De vez em quando, recebemos raios cósmicos de uma supernova.

Todos os anos os continentes movem-se um pouco a alta velocidade, alterando o equilíbrio térmico da Terra, impulsionados pelas correntes oceânicas: os oceanos transportam muito mais calor do que a atmosfera.

De 1500 vulcões na superfície do planeta Terra, medimos apenas 20, e sabemos que alguns C02 escapam deles. E há pelo menos 3,47 milhões de vulcões debaixo do mar, que libertam claramente enormes quantidades de C02.

As temperaturas têm sido medidas com precisão desde 1850, a +- 1C°, mas pensamos que um aumento de 0,7°C vai causar um desastre, que uma vaca de pasto polui mais do que um avião em voo e que os produtores de alimentos precisam de ser dizimados.

Que o leite nos matará a todos se a carne não nos matar primeiro, e que é melhor engolir produtos de laboratório ultra-processados do que os alimentos fornecidos pela natureza.

A propaganda ambiental é-nos imposta sem a oportunidade de a questionar criticamente, começando no jardim-de-infância. Quanto dos últimos 330 anos de aquecimento se deve à actividade humana e quanto é natural? Quando é que a produção de alimentos se tornou indigna?

A investigação climática tornou-se uma moda e um capricho perverso e corrupto que move quantidades incalculáveis de dinheiro, limpando o chão com os valores da Ciência e do método Científico.

Sob o irresistível argumento de cuidar do nosso planeta, entramos no jogo que nós humanos somos deixados na Terra e que só lhe fazemos mal; e favorecemos a teoria divina mas mentirosa, que faz com que os nobres e insuspeitos se autodestruam e se sintam no direito de nos destruir a todos.

É o propósito de uns poucos que sonham que o mundo lhes pertence. Avivemo-nos.

O consumo de lacticínios é bom para nós! E produzi-la é uma tarefa nobre que devemos reverenciar. Cuidemos dos nossos agricultores.

 

Valeria Hamann, com informações de Ian Rutherford Plimer e Prof. Klein, sobre Alterações Climáticas, Conferência.

Veja também

O Global Dairy Trade Event 360 foi concluído com um aumento de 0,4% no Índice de Preços GDT.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER