Manter os bezerros com as mães por períodos mais longos após o nascimento sempre foi um assunto controverso para os produtores de leite, citando preocupações com custos, logística e aspectos práticos. Aqueles que são a favor da medida dizem que há benefícios de saúde e bem-estar tanto para a mãe como para os filhos, bem como possíveis melhorias na qualidade do leite no futuro.
israel
"“Os resultados elevados obtidos pela melhoria do bem-estar dos bezerros precisam ser vistos à vista. Contudo, a implementação em massa pode não ser pragmática em certos casos. "
Um projeto em andamento em Israel, chamado Natural Dairy Farming, examina exatamente o que essa prática significa na realidade, já que eles mantêm a vaca e o bezerro juntos por 3 meses. O líder do projeto e veterinário, Dr. Sivan Lacker, disse que o bem-estar animal pode ser aumentado em todas as áreas e os lucros podem ser mantidos com o potencial de aumentar a qualidade do leite.

Ela iniciou o projeto em uma fazenda com 90 vacas no norte de Israel e espera que os benefícios encontrados possam encorajar outros agricultores a tentar o mesmo.

“Comecei minha empresa Mutual Dairy Farming em 2013 com uma visão nítida de melhorar o bem-estar de vacas e bezerros na indústria de laticínios. Uma grande parte do que fazemos centra-se na mentalidade do agricultor, desenvolvendo uma consciência das necessidades comportamentais das vacas. Isto leva a mudanças práticas no bem-estar e apoio os agricultores com sessões de formação e visitas de acompanhamento”, disse Lacker.

“Nos últimos 5 anos tenho colaborado com duas grandes cooperativas leiteiras, trabalhando em estreita colaboração com aproximadamente 60 das suas captações leiteiras. Foram feitos progressos fundamentais na melhoria do bem-estar; no entanto, sempre achei que o próximo passo a dar seria manter as vacas e os bezerros juntos. Separar o bezerro da vaca sempre foi um ponto de discórdia para mim. Priorizar o desenvolvimento de um vínculo mãe-filhote e o início da vida juntos é a necessidade comportamental mais básica para ambos os animais”, disse ela, acrescentando que negar esta possibilidade é uma violação do bem-estar animal e introduz potenciais efeitos de estresse, que podem ser reduzidos e até mesmo eliminado.

Sivan atua como veterinário há 14 anos e tem se concentrado mais no bem-estar animal durante os últimos 10 anos. Durante esse período, ela adquiriu uma boa compreensão das necessidades comportamentais das vacas e queria explorar práticas que melhorariam a saúde das vacas e dos bezerros, reduziriam os níveis de estresse, melhorariam o bem-estar dos bezerros e permaneceriam economicamente viáveis.

Sivan acrescenta: “Em 2019, viajei para a Europa para visitar fazendas orgânicas que criam bezerros e vacas juntas. Queria aprender de perto com os agricultores que utilizam estes métodos há muitos anos e obter uma compreensão mais profunda das vantagens e desafios deste sistema.

“Ao mesmo tempo, mantive-me atualizado com a maior parte das pesquisas publicadas nos últimos anos sobre a interação vaca-bezerro. Essas fontes criaram a fonte de onde vem minha paixão por assumir um papel de liderança nesta área. Consegui criar um método único que atende a todos esses critérios.”

Comportamento natural

Tradicionalmente, a maioria dos produtores de leite em todo o mundo separa o bezerro da vaca no nascimento. Normalmente, as vacas podem lamber o bezerro para ajudá-lo a se recuperar do parto e colocá-lo de pé. Os bezerros são então levados para currais de criação para serem alimentados e cuidados pelo agricultor, eliminando assim a possibilidade de formação de qualquer vínculo forte.

Tradicionalmente, tem-se argumentado que quanto mais tempo a vaca e o bezerro passam juntos, mais profundo pode ser o vínculo mútuo e mais intenso pode ser o estresse da separação. Por outro lado, a investigação mostra que o contato prolongado traz benefícios a longo prazo em termos de sociabilidade, medo e comportamento materno futuro. A saúde, o ganho de peso e a produtividade futura também melhoram quando o bezerro passa mais tempo com a vaca.

Sivan diz: “No meu programa, deixámos que ficassem juntos durante cerca de 3 meses e depois iniciamos um protocolo de desmame gradual, que desenvolvi. Está comprovado que permitir o comportamento natural reduz os níveis de estresse e frustração tanto da vaca quanto do bezerro. O estresse tem uma influência significativa na saúde, na produção de leite, na qualidade do leite, no ganho de peso e na fertilidade.

“Quando o meu sistema é implementado corretamente, com as mudanças estruturais certas, facilita a vida do agricultor e reduz, na verdade, as horas de trabalho. Não há necessidade de mover o bezerro para um novo curral, descongelar e alimentá-lo com colostro, limpar o curral a cada poucos dias, alimentá-lo até 3 vezes ao dia, limpar e lavar a mamadeira e o balde após cada mamada. Ao cancelar essas etapas de manejo, o agricultor economiza tempo, pois basta supervisionar e garantir que o bezerro esteja amamentando e ganhando peso.”

Liberdades básicas

Outras vantagens do sistema são que o bezerro tem mais liberdade de movimento do que teria em um curral pequeno. Além disso, os bezerros deverão desenvolver-se melhor, com menos casos de diarreia, se forem geridos corretamente. Foram relatados menos casos de mastite entre as vacas, com menos casos de metrite e retenção de placenta.

Alguns agricultores expressaram preocupações de que teriam menos leite para vender para processamento, se os bezerros fossem mantidos por mais tempo nas vacas e alimentados mais. O veterinário comenta: “Tudo tem a ver com o funcionamento e o manejo do sistema. Os bezerros são capazes de sugar até 10 litros de leite por dia. Durante o período em que estiverem com as vacas, o agricultor terá menos leite para vender. A certa altura, começa o processo de desmame e o consumo de leite, claro, é reduzido. Tudo depende do protocolo escolhido.

“Há uma série de fatores importantes presentes que compensam essa perda de curto prazo. O leite consumido por um bezerro enquanto estava com a vaca mãe teria sido dado a ele de qualquer maneira nos currais, seja com leite integral do tanque ou como substituto do leite em pó. Esta é uma despesa que o agricultor leva em consideração na hora de criar os orçamentos. Além disso, existem grandes vantagens económicas proporcionadas pela redução dos casos de doença.

“A pesquisa também mostra que, após o desmame, as vacas amamentadas passaram a produzir rendimentos mais elevados do que aquelas que não o foram. Assim, o agricultor literalmente recupera parte do leite perdido”, observa.

Meta mundial

Sivan diz que seu objetivo sempre foi melhorar o bem-estar dos bezerros nas fazendas leiteiras, mas ela percebe que, ao mesmo tempo, é igualmente importante que as mudanças que ela sugere não se tornem um fardo para o agricultor.

“Mudanças na operação precisam facilitar a vida”, acrescenta ela. “Os resultados elevados obtidos pela melhoria do bem-estar dos bezerros precisam ser vistos à vista. Contudo, a implementação em massa pode não ser pragmática em certos casos. A produção leiteira natural pode ser implementada em fazendas em Israel e em todo o mundo. É necessária responsabilidade e orientação profissional e estou entusiasmado por participar em todas as etapas do processo.”  (Dairy Global)

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER