O projeto cita que a história da produção do queijo colonial, especialmente do produzido nos 42 municípios do Sudoeste do Paraná, acompanha a própria colonização da região e a formação dos antigos povoados e, por consequência, o desenvolvimento local.
"O texto do projeto de lei ressalta que o queijo colonial se tornou produto típico do Sudoeste e ganhou prêmios em concursos nacionais e internacionais"

Oito deputados assinam o projeto de lei que declara o queijo colonial do Sudoeste do Paraná como Patrimônio de Natureza Cultural Imaterial do Estado, aprovado nesta segunda-feira (29) em primeiro turno na Assembleia Legislativa.

O projeto cita que a história da produção do queijo colonial, especialmente do produzido nos 42 municípios do Sudoeste do Paraná, acompanha a própria colonização da região e a formação dos antigos povoados e, por consequência, o desenvolvimento local.

A proposta foi inicialmente apresentada pelo deputado Reichembach (PSD), mas acabou ganhando a coautoria de Gilson de Souza (PL), Gilberto Ribeiro (PL), Evandro Araujo (PSD), Batatinha (MDB), Luiz Fernando Guerra (União), Luciana Rafagnin (PT) e Luiz Claudio Romanelli (PSD).

Na justificativa, os autores dizem que a forma de produção, a criação do gado leiteiro e as próprias pastagens locais fizeram com que queijo colonial do Sudoeste ganhasse características únicas. E o projeto veio em reconhecimento a essas peculiaridades e à importância do produto para a região.

“Desde a criação dos primeiros municípios do Sudoeste (Clevelândia e Palmas), o queijo colonial sempre fez parte dos produtos originais daqueles colonizadores, sendo consumidos, primeiramente, em todo o Estado do Paraná, seguindo-se a sua destinação para diversos destinos de todo o Brasil”, diz a justificativa.

O queijo colonial que agora deve se tornar patrimônio é um produto com origens históricas ‘importadas’ dos colonizadores italianos, mas essas origens foram adaptadas conforme as condições e a matéria-prima locais. O texto do projeto de lei ressalta que o queijo colonial se tornou produto típico do Sudoeste e ganhou prêmios em concursos nacionais e internacionais.

O Sudoeste conta com aproximadamente 60 queijarias formais e em torno de 100 iniciativas com potencial de legalização. A região faz parte da Rota do Queijo Paranaense, que contempla queijarias em diferentes regiões do Estado, regularizadas por um dos sistemas de inspeção sanitária (SIM, SUSAF, SIP, SISBI e SIF).

Além disso, os produtores estão organizados em uma associação que encaminha o registro de Indicação Geográfica para o queijo colonial do Sudoeste.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER