"Receita bruta foi de R$ 21,7 bilhões no ano passado, o que representa uma queda de 1,4%"
Aurora Coop
Mercado interno respondeu por dois terços da receita da Aurora Coop — Foto: Globo Rural
A Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) informou, nesta segunda-feira (26/2), uma receita bruta de R$ 21,7 bilhões no ano passado, o que representa uma queda de 1,4% em relação às vendas em 2022, que chegaram a R$ 22 bilhões.

A central teve um prejuízo de R$ 137,9 milhões em 2023, que foi absorvido pelo fundo de reservas. Em 2022, a operação totalizou R$ 649 milhões em sobras, equivalentes ao lucro nas cooperativas.

Praticamente dois terços da receita da central vieram do mercado interno: R$ 14,6 bilhões. As exportações para 80 países renderam R$ 7,5 bilhões. Em volume, as vendas no país representaram 63,7%, totalizando cerca de 1 milhão de toneladas. Os embarques foram de 678,5 mil toneladas.

Em relatório, a Aurora Coop destacou, apesar do resultado negativo, os avanços no mercado externo. “Há uma década atrás, em 2013, as exportações representavam 18,6% da receita operacional bruta e contribuíam com R$ 1,055 bilhão no caixa da empresa”, destaca.

Da esquerda para a direita, Marcos Zordan (vice-presidente de agronegócios da Aurora Coop), Leomar Somensi (vice-presidente de mercados), Romeo Bet (secretário do conselho de administração ) e Neivor Cantor (presidente) — Foto: Divulgação
Da esquerda para a direita, Marcos Zordan (vice-presidente de agronegócios da Aurora Coop), Leomar Somensi (vice-presidente de mercados), Romeo Bet (secretário do conselho de administração ) e Neivor Cantor (presidente) — Foto: Divulgação

A cooperativa também destacou os investimentos nas fábricas para aumento de produção. O aporte na operação chegou a R$ 939,1 milhões em 2023, acima dos R$ 793,6 milhões do ano anterior. Em outubro, a Aurora Coop assumiu as operações da unidade industrial de carnes da marca Alegra, em Castro (PR), que pertencia às cooperativas Frísia, Capal e Castrolanda. A transação fortaleceu o princípio da intercooperação, e as três centrais se aliaram ao Sistema Aurora.

Expectativas da Aurora para 2024

A diretoria planeja expandir o frigorífico em São Gabriel do Oeste (MS) e aumentar a capacidade de abate da unidade em Guatambu (SC), que já passou por uma etapa anterior de ampliação. A cooperativa planeja ainda revisar os produtos feitos em cada fábrica para otimizar os resultados, além de melhorar as operações no recém-adquirido frigorífico da Alegra. Ainda este ano, a unidade industrial Aurora Chapecó II começará a produzir empanados, peito cozido e peito desfiado.

Com a aquisição do frigorífico da Alegra, a Aurora Coop ampliou em 12% sua capacidade de abate de suínos, chegando a 32,1 animais por dia. As unidades em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul abateram 7,376 milhões de cabeças, volume 3,2% superior ao ano anterior. A produção in natura cresceu 2,9%, para 705,9 mil toneladas, e a industrialização avançou 6%, a 428,4 mil toneladas.

Frango

As nove plantas industriais de aves abateram 320,8 milhões de cabeças de frango, um aumento de 11% em relação a 2022. Segundo a cooperativa, o incremento reflete, principalmente, a retomada das operações da nova unidade frigorífica de Guatambu (SC), cuja capacidade de abate aumentou de 115 mil para 414,8 mil aves por dia. A produção in natura de carnes de aves aumentou 3,2% para 665,9 mil toneladas, e a industrialização se manteve em 58,3 mil toneladas.

Outros negócios

O volume de leite captado das cooperativas do Sistema Aurora Coop atingiu 472,3 milhões de litros. A produção de industrializados mudou pouco, somando 203,2 mil toneladas. A produção de rações nas sete fábricas da central cresceu quase 5%, para 2,1 milhões de toneladas, entre produtos para aves de corte, matrizes e suínos, além de núcleos e concentrados.

Veja também

Espera-se que a indústria de laticínios adote continuamente o desenvolvimento de novas forças produtivas de qualidade, como uma tentativa de alcançar uma transformação positiva sob circunstâncias no novo estágio de desenvolvimento, disse Li Pengcheng, presidente executivo da gigante chinesa de laticínios Mengniu Group.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER