Os preços internacionais do leite estão subindo acentuadamente e recuperaram as perdas do primeiro trimestre. Entretanto, a produção na Argentina continua caindo.
As cotações globais do leite em pó registraram o quarto aumento consecutivo (Revista Chacra)
As cotações globais do leite em pó registraram o quarto aumento consecutivo (Revista Chacra)

O último leilão da Global Dairy Trade, que de certa forma é a referência para os preços internacionais de lácteos, trouxe boas notícias para a atividade.

Quanto ao leite em pó, nosso principal produto de exportação, foi registrada a quarta alta consecutiva, sendo negociado agora a US$ 3.408, bem distante dos US$ 2.548 de agosto do ano passado.

Mas, além disso, os valores voltaram aos preços dos primeiros dias deste ano, quando começou uma queda que colocou em dúvida a rentabilidade da atividade em todo o mundo durante o primeiro trimestre.

 

É verdade que a Argentina não é o Uruguai, que tem 80% de sua produção de leit
e no exterior e onde o destino da atividade depende fundamentalmente dos valores de exportação.
Em diferentes formas, as exportações de laticínios representam cerca de 30% da produção de leite da Argentina (Revista Chacra).
Em diferentes formas, as exportações de laticínios representam cerca de 30% da produção de leite da Argentina (Revista Chacra).

Nosso país, com uma população maior e problemas organizacionais igualmente maiores, vende uma proporção muito menor de sua produção de leite no exterior, mas pelo menos essa tendência global elimina uma justificativa para aqueles que pretendem pagar preços baixos na porta da fazenda.

Os números mostram que, em abril passado, as exportações de produtos lácteos argentinos totalizaram 28.867 toneladas, no valor de US$ 102,9 milhões. Isso significa que elas caíram 3,7% e 4,3% em volume de produtos e em dólares, respectivamente, em relação ao mês anterior. Por outro lado, na comparação interanual para este mês, as exportações aumentaram 12,9% em volume e 2,9% em termos de receita em moeda forte.

Considerando os primeiros quatro meses do ano, os embarques para o exterior aumentaram 8,4% em volume, mas as receitas caíram 2,5%

O queijo é responsável por quase 30% das exportações de laticínios da Argentina (Revista Chacra)
O queijo é responsável por quase 30% das exportações de laticínios da Argentina (Revista Chacra)

em dólares, enquanto os litros equivalentes superaram os primeiros quatro meses de 2023 em 9,6%.

Com relação à distribuição das exportações por itens principais em termos de valor total em dólares para o período de janeiro a abril de 2024, o leite em pó responde por 43,5% dos negócios, enquanto os queijos têm 29,4% da participação. O restante corresponde a doce de leite, manteiga, óleo butírico, soro de leite, lactose, caseína, iogurtes, etc.

A análise do primeiro quadrimestre do ano com relação aos volumes exportados indica um crescimento de 21,6% para o leite em pó e 9,3% para os queijos, e uma queda de 7,3% para o restante dos produtos.

A verdade é que de forma alguma as exportações de lácteos podem evitar a queda na produção de leite no país, que vem se aprofundando durante a primeira parte do ano, acumulando um declínio nos volumes de 14,5% nos primeiros quatro meses do ano em comparação com o mesmo período de 2023.

Também é fácil perceber que os chamados “sólidos úteis” (gordura butírica e proteína) caíram 15% nos primeiros quatro meses de 2024 (média diária), praticamente na mesma magnitude da produção de leite, o que indica uma quase sustentabilidade dos níveis de gordura butírica e proteína.

Em algumas áreas do país, os dados estão melhorando, e espera-se que a situação se re

A queda na produção de leite na Argentina ainda não atingiu um patamar (Revista Chacra)
A queda na produção de leite na Argentina ainda não atingiu um patamar (Revista Chacra)

verta gradualmente e, assim, passe para valores positivos entre agosto e setembro. De qualquer forma, estima-se que o volume acumulado anual esteja entre 4% e 6% abaixo do volume gerado em 2023.

Deve-se lembrar que nos últimos quatro meses do ano, cerca de 38% da produção total do ano é gerada. Portanto, é fundamental aumentar os preços para incentivar os produtores. Obviamente, o problema para o setor é o baixo poder aquisitivo da população nos dias de hoje, além de todas as questões que podem ser levantadas sobre o sistema primitivo de comercialização de leite na Argentina.

O setor de laticínios da Argentina está estagnado há décadas. Seu último grande crescimento foi durante os anos 90, com regras claras do jogo e estabilidade. Agora, após quatro anos de intervencionismo e sérias dificuldades climáticas, ele precisa urgentemente de mudanças.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER