No final do mês de abril, o Presidente e alguns Conselheiros de Administração junto com o Gerente da Divisão de Produção Agropecuária (DPA), representaram a Cooperativa Dália na reunião do Grupo de Fortalecimento da Cadeia Leiteira do RS na sala Alberto Pasqualini no prédio da Assembleia Legislativa em Porto Alegre.
Dalia. “Não precisamos de novos subsídios, mas que o Governo potencialize os programas já existentes como o Mais Leite Saudável para voltar a fomentar a assistência técnica no campo e assim, fortalecer a pecuária leiteira”
“Não precisamos de novos subsídios, mas que o Governo potencialize os programas já existentes como o Mais Leite Saudável para voltar a fomentar a assistência técnica no campo e assim, fortalecer a pecuária leiteira”
No final do mês de abril, o Presidente e alguns Conselheiros de Administração junto com o Gerente da Divisão de Produção Agropecuária (DPA), representaram a Cooperativa Dália na reunião do Grupo de Fortalecimento da Cadeia Leiteira do RS na sala Alberto Pasqualini no prédio da Assembleia Legislativa em Porto Alegre.

Durante a reunião que foi liderada pelo Deputado Estadual Zé Nunes, o Presidente do Conselho de Administração, Gilberto Antônio Piccinini, falou sobre as dificuldades que os produtores de leite do país e do RS estão enfrentando. “Minha vocação além de gestor é também na produção de leite, por isso, conheço as intempéries e o momento de crise que o bovinocultor leiteiro tem passado. Infelizmente, toda virada de mês as contas permanecem no vermelho”, lamenta Piccinini ao afirmar que há milhares de produtores abandonando a atividade.

Ao apresentar algumas alternativas para o segmento, o presidente do conselho ressaltou a importância de flexibilizar o enquadramento para acessar os incentivos do Cadastro Nacional da Agricultura Familiar/Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (CAF/Pronaf) às empresas cooperativas que integram os pequenos produtores rurais. “As organizações cooperativas e não cooperativas têm encontrado dificuldades de chegar a exigência de 75% de seus produtores que tenham o CAF/Pronaf atualizado. No geral, temos visto que, a adesão do quadro social chega aos 70%, valor suficiente até o ano passado mas agora, fica fora deste enquadramento”, comenta o gestor ao reforçar que, por meio da CAF/Pronaf, a cooperativa participa do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do Governo Federal.

Se tratando de subsídios para o segmento leiteiro, Piccinini ainda lembrou da importância do Programa Mais Leite Saudável. “Não precisamos de novos subsídios, mas que o Governo potencialize os programas já existentes como o Mais Leite Saudável para voltar a fomentar a assistência técnica no campo e assim, fortalecer a pecuária leiteira”, reforça Piccinini ao recordar que participou da formação do Instituto Gaúcho de Lácteos (IGL), no qual profissionaliza o produtor.

Ele ainda destacou para uma ampla divulgação sobre os benefícios do consumo de leite por parte do governo estadual e das entidades.

Crise na produção de leite      

Durante a reunião, outros líderes representando o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Sindilat, Fetag, Conseleite RS entre outras instituições, abordaram o aumento expressivo das importações de leite em pó, vindos dos países vizinhos. “Diversos elementos indicavam a alteração estrutural da bacia leiteira, sobretudo no estado gaúcho. As implicações do clima, o aumento agressivo das importações, elevação dos custos de produção, falta de subsídios em relação a outros países, menor consumo de leite da população brasileira geraram instabilidade financeira dos produtores de leite e, fez com que mais de 50 mil abandonassem a atividade nos anos de 2022 e 2023”, reiterou o Superintendente do MAPA no RS, José Cleber Dias de Souza.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER