Representantes do jornal britânico Financial Times, CIC-VT, e Federasul visitaram a cooperativa Dália para entender seus processos produtivos e avaliar os danos nos municípios da região após a maior enchente do Rio Grande do Sul.
Dália. No Complexo Lácteo, a recepção de até 1,1 milhão de litros de leite/dia e ainda, cerca de 800 toneladas/dia na fabricação de ração animal.
No Complexo Lácteo, a recepção de até 1,1 milhão de litros de leite/dia e ainda, cerca de 800 toneladas/dia na fabricação de ração animal.
Cooperativa Dália | Na Durante a visita, Piccinini apresentou a estrutura organizacional da cooperativa, destacando sua forma de gestão e missão de promover o desenvolvimento econômico e social dos associados, colaboradores e comunidade onde atua.

“Ao longo de quase 77 anos, a Cooperativa Dália tem se consolidado com uma estrutura robusta, operando com um Grupo Estratégico de Governança, composto pelo Conselho de Administração, com nove conselheiros responsáveis por eleger o Presidente e o Vice. O presidente executivo é um profissional contratado que gerencia os negócios e o posicionamento no mercado. No entanto, o órgão máximo da cooperativa é a Assembleia Geral dos Associados”, afirmou Piccinini.

Paralelo a isso, a Dália conta com 2.598 associados em 127 municípios do RS. “Nos segmentos de atuação, a Dália possui quatro programas de produção: suinocultura, laticínios, avicultura e grãos, desenvolvidos em três complexos industriais e uma unidade de fabricação de queijos”, explicou Piccinini. Além disso, a cooperativa está organizada em nove divisões: Controller, Produção Agropecuária, Produtos Suínos, Produtos Lácteos, Frango de Corte, Controle de Qualidade, Comercial Carnes e Derivados, Comercial Lácteos e Varejo, totalizando 2.788 colaboradores.

Capacidade produtiva

Piccinini destacou a capacidade produtiva da Dália em cada segmento: “nossa capacidade produtiva inclui o abate de 3 mil suínos/dia no frigorífico em Encantado, 275 mil aves/dia no Complexo Industrial Avícola, no Complexo Lácteo, a recepção de até 1,1 milhão de litros de leite/dia e ainda, cerca de 800 toneladas/dia na fabricação de ração animal”, pontuou.

Estragos das cheias

O Presidente da CIC-VT, Angelo Fontana, relatou que a visita foi solicitada pelo jornal britânico Financial Times, que buscava entender a dimensão da crise causada pela maior catástrofe climática do estado do RS. “Acompanhamos os jornalistas em empresas e nas cidades fortemente afetadas, demonstrando os estragos causados pelas cheias nas propriedades rurais”, destacou Fontana.

Fontana também enfatizou a importância econômico-social das empresas para a região do Vale do Taquari e para todo o estado do RS. “A cadeia produtiva de proteína animal é característica da nossa região, gerando riqueza, emprego e renda”, afirmou.

Por fim, Fontana ressaltou a importância da iniciativa da imprensa internacional em buscar compreender o atual cenário de desenvolvimento e a relevância do setor agropecuário para o estado, o país e o mundo.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

 

milk from jug pouring into glass

 

 

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER