O destino dos 60.000 litros de leite que 45 produtores de leite estavam enviando para a fábrica que o Grupo Gloria fechou no Uruguai foi resolvido.
leite
Segundo ele, os produtores cujo leite não era mais recebido pela fábrica da empresa peruana eram cerca de 45 e imediatamente começaram a fornecer para outras empresas, algumas delas de grande porte, como Alimentos Fray Bentos, Granja Pocha e Clady.

Entre elas, enviavam cerca de 60.000 litros por dia para um complexo industrial que, em um determinado momento, chegou a 90.000 litros por dia.
Schaffner comentou que há casos em que o leite começou a ser enviado para PMEs de processamento de laticínios localizadas nas áreas onde estão as fazendas de laticínios envolvidas, com volumes menores, geralmente de 500 a 1.000 litros.

Solidariedade do setor de laticínios

Ele também destacou o gesto de outras empresas que se interessaram em ajudar a receber o leite, pelo menos temporariamente, já que se trata de um produto que não pode ser jogado fora devido aos problemas ambientais que isso gera.

gloria

Por exemplo, os extensionistas ligados à principal empresa nacional de laticínios, a Conaprole, estavam particularmente interessados em ver como as coisas estavam indo, caso fosse necessário ajudar.

Ele comentou que algo que jogou a favor foi a época do ano, no outono, quando normalmente o suprimento geral das fazendas de laticínios é menor e as indústrias precisam de matéria-prima.

O fechamento do Grupo Gloria foi um problema, ele reconheceu, mas em termos gerais foi resolvido, “graças ao fato de que muitas pessoas demonstraram solidariedade e deram uma mão”, enfatizou.

Grupo Gloria: um fechamento surpreendente e ordenado

Schafnner destacou que o fechamento da fábrica do Grupo Gloria foi uma surpresa, de um dia para o outro, embora tenha sido planejado, considerando que apenas os queijos (Dambo e Sbrinz) eram produzidos basicamente para exportação e que o preço desse produto é muito baixo, dificultando a obtenção de uma rentabilidade adequada no negócio.

De qualquer forma, “a empresa fez tudo de forma muito ordenada, temos que reconhecer isso, pagou aos produtores pelo leite por mais uma semana, como se fosse uma indenização, sem receber esse leite”.

Com relação aos funcionários da empresa, aproximadamente 60, quase todos ficaram sem emprego, com o cumprimento das obrigações correspondentes, enquanto cerca de 10 permanecem em vários empregos, já que a empresa encerrou suas tarefas de fabricação de queijo, mas está formalmente ativa, esperando poder empreender um modelo de negócios local que seja sustentável.

Por fim, comentou que o Grupo Gloria tinha as câmaras de seu complexo em Nueva Helvecia cheias de queijo, devido à produção realizada, razão pela qual a gestão das exportações está sendo mantida e, inclusive, houve um embarque nos últimos dias.

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER