A vida útil "produtiva" é definida como o período de tempo que as vacas vivem após terem seu primeiro bezerro e começarem a produzir leite. Como a maioria das vacas dá à luz pela primeira vez com cerca de 2 anos de idade, isso significa que, em média, as vacas estão vivendo um total de cerca de 5 anos.
vaca
Será que atingimos o ponto mais baixo da vida produtiva média das vacas leiteiras? (Taylor Leach)
Uma vaca tem uma expectativa de vida natural de até 20 anos. Atualmente, a vida útil produtiva média de uma vaca leiteira nos EUA é de cerca de 3 anos.

A vida útil “produtiva” é definida como o período de tempo que as vacas vivem após terem seu primeiro bezerro e começarem a produzir leite. Como a maioria das vacas dá à luz pela primeira vez com cerca de 2 anos de idade, isso significa que, em média, as vacas estão vivendo um total de cerca de 5 anos.

Há alguns anos, o professor de Ciência do Leite da Universidade da Flórida, Dr. Albert DeVries, publicou um artigo no Journal of Dairy Science examinando a questão da vida útil produtiva. DeVries observou que a vida útil produtiva das vacas leiteiras é uma questão complicada e em evolução, que pode variar significativamente com base nas condições e prioridades de cada rebanho.

As vacas costumavam viver mais tempo nos rebanhos dos EUA. Na década de 1930, era comum uma vida produtiva de 5 a 10 anos após o parto (7 a 12 anos no total). Essa idade vem diminuindo desde pelo menos a década de 1960, com avaliações mostrando uma duração média no rebanho após o parto de 38 meses por volta de 2000 e 35,3 meses – ou menos de 3 lactações – em 2018.

Será que atingimos o “nadir” da vida útil produtiva média das vacas leiteiras? Possivelmente, considerando uma série de novos fatores que DeVries discutiu e que estão influenciando as decisões de acasalamento, gerenciamento e abate. Eles incluem:

Mudanças na eficiência reprodutiva – Historicamente, a “incapacidade de conceber” tem sido um dos principais critérios para o descarte de vacas em lactação. Após várias décadas de eficiência reprodutiva estável ou em declínio, as últimas duas décadas registraram melhorias saudáveis no sucesso da reprodução. DeVries atribuiu a mudança positiva às mudanças no gerenciamento e na seleção genética para melhorar a fertilidade. A tendência de aumento poderia, teoricamente, manter as vacas nos rebanhos de ordenha por mais tempo.

-Sêmen sexado – Disponível comercialmente há mais de 20 anos, o sêmen sexado de fêmeas possibilitou a produção de uma grande quantidade de bezerros. Para rebanhos de tamanho fixo, isso significou um abate mais agressivo das vacas mais velhas para dar lugar às novilhas de reposição geneticamente mais avançadas.

-Cruzamento de vacas de corte – A criação de bezerros excedentes de maior valor com sêmen de vacas de corte – geralmente acompanhada de seleção genômica e/ou de paridade de matrizes – surgiu mais ou menos no mesmo período que o sêmen sexado. Em alguns rebanhos, essa estratégia pode compensar a produção de novilhas excedentes e, assim, reduzir a pressão de abate.

-Progresso genético – DeVries citou as previsões do Dr. Jack Britt, pesquisador de longa data do setor de laticínios e futurista agrícola. Britt especulou que o mérito genético total do gado leiteiro, como uma soma de todas as características desejáveis, continuará a aumentar pelo menos nos próximos 40 anos, resultando em uma duplicação da produção de leite por vaca. Britt previu que essas vacas também terão uma saúde melhor e maior capacidade para uma vida produtiva mais longa.

-Lactações mais longas – Com menos substituições potencialmente necessárias, faz realmente sentido secar as vacas que ordenham mais de 100 libras por dia? Os pesquisadores estão explorando a possibilidade de usar períodos de espera voluntários mais longos antes da recria para prolongar as lactações. Uma vantagem dessa abordagem é a redução da frequência dos riscos relacionados ao período de transição.

-Questões sociais e ambientais – O público tem se preocupado com a percepção da curta duração da vida das vacas leiteiras, citando o abate precoce como um sintoma de baixo bem-estar animal. A alta prevalência de claudicação e a falha na concepção foram apontadas como problemas específicos de bem-estar. A pegada ambiental dos produtos lácteos também é uma questão de interesse público. Os pesquisadores descobriram que o aumento da vida útil produtiva reduz o impacto ambiental da produção de laticínios, pois os rebanhos com animais mais jovens emitem mais gases de efeito estufa. DeVries disse que é possível que o público exija uma vida útil produtiva mais longa no futuro.

Um desafio na determinação do tempo de vida produtivo ideal é que esses e outros fatores – especialmente os preços do leite, da ração e da carne bovina – são relativamente fluidos e estão sempre mudando. “Consequentemente, as decisões ideais de reposição e as taxas anuais ideais de reposição de vacas são dinâmicas e mudam com o tempo”, disse DeVries.

Ele ressaltou que uma vida útil produtiva mais longa para vacas leiteiras saudáveis não é necessariamente lucrativa. Usando um modelo econômico simples, ele chegou a um tempo de vida produtivo “ideal” de cerca de 5 anos.

A questão será discutida em profundidade na 45ª Discover Conference apresentada pela American Dairy Science Association (ADSA). “Dairy Cattle Lifespans: New Perspectives” (Vida útil do gado leiteiro: novas perspectivas) explorará os dados atuais, as tendências futuras e os cenários potencialmente inovadores relacionados à maneira como abordamos a vida útil produtiva das vacas leiteiras, tanto em rebanhos individuais quanto em todo o setor.

 

 

ACEDA AOS NOSSOS MELHORES ARTIGOS 👉 DESTAQUES eDayryNews 🇧🇷🐮🥛✨

 

 

 

Veja também

Espera-se que a indústria de laticínios adote continuamente o desenvolvimento de novas forças produtivas de qualidade, como uma tentativa de alcançar uma transformação positiva sob circunstâncias no novo estágio de desenvolvimento, disse Li Pengcheng, presidente executivo da gigante chinesa de laticínios Mengniu Group.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER