O 2º Fórum Nacional do Leite, promovido pela Associação Brasileira de Produtores de Leite, será realizado nos dias 16 e 17 de abril na sede da Embrapa, em Brasília
Foto Divulgação Embrapa Gado de Leite
O 2º Fórum Nacional do Leite, promovido pela Associação Brasileira de Produtores de Leite, será realizado nos dias 16 e 17 de abril na sede da Embrapa, em Brasília. No evento, ocorrerá o lançamento do Programa de certificação em biosseguridade para propriedades leiteiras.

O Programa foi desenvolvido pela Embrapa Gado de Leite em parceria com a Boehringer-Ingelheim Saúde Animal com base nas boas práticas e procedimentos operacionais padrão. O termo “biosseguridade” se refere às medidas e práticas destinadas a prevenir a propagação de agentes infecciosos em ambientes biológicos, como laboratórios, hospitais e centros de pesquisa.

Com o programa da Embrapa/Boehringer-Ingelheim, esse conceito chega às fazendas leiteiras, por meio da adoção de medidas mais efetivas para uso de equipamentos de proteção individual, procedimentos de segurança, controles de biossegurança e a implementação de protocolos para minimizar o risco da exposição tanto de pessoas quanto de animais a agentes patogênicos.

“A biossegurança é fundamental para proteger a saúde das pessoas, dos animais e do meio ambiente”, diz o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Bruno Campos de Carvalho, que trabalhou no desenvolvimento da tecnologia.

Segundo Carvalho, o Programa se apoia no conceito de “saúde única”, que envolve a interconexão entre a saúde humana, animal e ambiental. A abordagem de saúde única reconhece que a saúde de humanos, animais e ecossistemas está intrinsecamente ligada e que a promoção do bem-estar de um desses componentes influencia diretamente os outros.

“O Programa tem como objetivo integrar a saúde do rebanho e das pessoas que atuam na fazenda, além da conservação ambiental de uma forma holística e preventiva”, diz. O pesquisador exemplifica: “A utilização de antibióticos de forma indiscriminada pode gerar bactérias resistentes, comprometendo de todo ecossistema”.

Para o desenvolvimento do Programa, os pesquisadores da Embrapa utilizaram o Protocolo Fmea (sigla em inglês Failure Mode and Effects Analysis – Análise de Modo e Efeito de Falha, em tradução livre).

O Fmea é uma metodologia usada para analisar e prevenir possíveis falhas ou problemas num processo, produto ou sistema. A Fmea identifica as diferentes maneiras pelas quais um sistema pode falhar, avalia as consequências dessas falhas e prioriza as ações corretivas para mitigar ou eliminar os riscos associados a essas falhas.

É amplamente utilizada em indústrias e aviação, melhorando a confiabilidade, segurança e qualidade dos produtos e processos. “O Fmea é um método sistemático e proativo para conhecer um processo de forma a identificar onde e como ele pode falhar e também serve para avaliar o impacto que essas falhas podem ter” explica Carvalho. O método identifica riscos, probabilidades, severidade, possibilidade de detecção e pontos críticos de controle.

Os estudos da Embrapa identificaram mais de 140 pontos críticos na produção de leite no que diz respeito às boas práticas de biosseguridade. Com os dados da fazenda, é possível estabelecer um diagnóstico de quais áreas do processo produtivo possuem maior necessidade de serem modificadas. Um exemplo é a mastite: doença de alto risco na pecuária de leite, grande probabilidade de ocorrência e de fácil detecção – problema que está entre as prioridades de unidades produtivas que desejam ser certificadas.

A ideia da criação de um programa de biosseguridade surgiu em 2021. No ano seguinte, a Embrapa assinou contrato com a multinacional farmacêutica alemã Boehringer-Ingelheim Saúde Animal, que colaborou com as pesquisas e irá explorar a tecnologia.

A certificadora credenciada, responsável pelo selo de biosseguridade certificada, é a CBS (Certificação em Biosseguridade). Os pontos críticos na produção de leite foram consolidados em protocolos, auditados de acordo com padrões internacionais e validados em campo nas Fazendas Santa Luzia (Passos/MG) e Colorado (Araras/SP), duas empresas rurais de alta produção de leite que se tornaram as primeiras a garantir o selo da CBS.

Durante o lançamento do Programa, foram apresentados o documento contendo os protocolos de biosseguridade e lançado curso online e presencial para auditores e certificadores. Para outras informações, acesse o site: http://www.certbios.com.br/

Fonte: Embrapa Gado de Leite

Veja também

Conforme Petry, a fábrica de produtos lácteos será ampliada em mil metros quadrados. Além disso, receberá significativa inovação tecnológica na automatização da produção. Estão sendo adquiradas novos equipamentos com alta tecnologia que, entre outras coisas, farão o carregamento automatizado dos lácteos.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER