As empresas europeias perderam mais de 100 bilhões de euros na Rússia desde a invasão da Ucrânia, de acordo com o Financial Times.
empresas
O Estado está em processo de aprovação de uma nova regra que coloca o Kremlin em primeiro lugar na fila para confiscar as ações de empresas estratégicas cujos acionistas saem do país.
Desde a invasão da Ucrânia no ano passado, as empresas têm se esforçado para cortar os laços com a Rússia.

Uma pesquisa do FT constatou que as empresas perderam 100 bilhões de euros ao tentar deixar o estado.

O Kremlin confiscou os ativos da Danone e da Carlsberg no mês passado, e Putin está determinado a lucrar com as empresas que estão saindo.

As empresas europeias perderam mais de 100 bilhões de euros na Rússia desde a invasão da Ucrânia, de acordo com o Financial Times.

Desde fevereiro do ano passado, as empresas estão retirando suas operações em massa do estado em resposta à pressão de investidores e consumidores.

A pesquisa do FT sobre os relatórios financeiros de 600 empresas mostrou que 176 delas enfrentaram perdas no balanço patrimonial como resultado da venda, fechamento ou redução dos negócios na Rússia.

A maioria das perdas estava concentrada em alguns setores altamente expostos, como energia e serviços públicos. Três empresas – BP, Shell e TotalEnergies – sofreram penalidades de 40,6 bilhões de euros. No entanto, as perdas foram mais do que cobertas graças aos preços mais altos da energia, que geraram lucros extraordinários.

Se as empresas de energia e de serviços públicos forem excluídas da pesquisa, as maiores baixas contábeis virão dos setores químico e automotivo da Alemanha.

Nem todas as empresas decidiram cortar relações. De acordo com um estudo em andamento em Yale, pouco mais da metade das 1.000 empresas que se comprometeram a deixar a Rússia conseguiram romper com o país. O rastreador foi atualizado pela última vez em 7 de agosto.

“Mesmo que uma empresa tenha perdido muito dinheiro saindo da Rússia, as que ficam correm o risco de sofrer perdas muito maiores”, disse Nabi Abdullaev, sócio da consultoria estratégica Control Risks, ao FT. “Acontece que cortar e fugir foi a melhor estratégia para as empresas que estavam decidindo o que fazer no início da guerra. Quanto mais rápido você saísse, menor seria sua perda.”

Após a apreensão dos ativos da Danone e da Carlsberg pelo Kremlin no mês passado, os especialistas temem que o presidente Vladimir Putin possa dificultar ainda mais a saída das empresas da Rússia. O Estado está em processo de aprovação de uma nova regra que coloca o Kremlin em primeiro lugar na fila para confiscar as ações de empresas estratégicas cujos acionistas saem do país.

Essa lei pode se somar ao número crescente de medidas punitivas que o regime de Putin introduziu para combater as empresas que buscam encerrar suas operações em seu país.

Em dezembro de 2022, a Rússia começou a forçar as empresas que vendiam seus ativos a se desfazerem deles com um desconto de 50%, o que levou a uma corrida entre os empresários nacionais por ativos de barganha.

Uma série de medidas legislativas demoradas também reduziu a velocidade das retiradas das empresas.

 

 

Aceda aos nossos melhores artigos aqui 👉 Destaques – eDairyNews-BR🐮🥛✨

 

Veja também

Espera-se que a indústria de laticínios adote continuamente o desenvolvimento de novas forças produtivas de qualidade, como uma tentativa de alcançar uma transformação positiva sob circunstâncias no novo estágio de desenvolvimento, disse Li Pengcheng, presidente executivo da gigante chinesa de laticínios Mengniu Group.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER