Além dos quitutes, cidade garantiu o recorde de maior queijo do mundo.
Recorde. Maior doce de leite do mundo, produzido em Ipanema (MG)
Maior doce de leite do mundo, produzido em Ipanema (MG)
Produtores da cidade de Ipanema, na região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, superaram os recordes de maiores doce de leite, queimadinho e pão de queijo do mundo.

Os quitutes gigantes foram apresentados ao público durante a 14ª Festa do Queijo, que aconteceu nesse sábado (1) no município.

As novas marcas registradas substituem os resultados do ano passado, que já pertenciam à cidade. Todos os produtos foram pesados e auditados por representantes do Livro dos Recordes.

2,5 mil litros de leite

Para produzir o maior doce de leite do mundo foram utilizados cerca de 2,5 mil litros de leite e 700 quilos de açúcar. O doce gigante foi produzido pela fábrica de doces Nhá Nair, responsável por confeccionar que, desde 2013, confecciona o quitute.

Nesta edição, o maior doce de leite do mundo pesou 1.210 quilos, superando 1.070 quilos do ano passado.

 

O responsável pela produção do doce, Marlúcio Venância, destaca que, além do tamanho do doce, eles prezam também pela qualidade. “Ele não pode ser só o maior, tem que ser o melhor também. É uma oportunidade de adoçar a boca de todo mundo”, explica.

Pão de queijo e queimadinho

Um outro produto tipicamente mineiro também entrará no livro dos recordes neste ano. O pão de queijo de 4,03 kg, feito pelo salgadeiro Heraldo Borelli e sua esposa, foi considerado o maior já produzido no planeta. Pela primeira vez, a iguaria do nosso estado tem destaque na festa em Ipanema.

Por sua vez, o queimadinho produzido em Ipanema atingiu a marca de 1.550 litros.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER