Desde seu papel na Guerra Civil Americana até sua menção em "A Árvore da Ciência", de Pío Baroja, o leite condensado tem um lugar indiscutível na história recente.
leite condensado
Imagem promocional da marca de leite condensado de Gail Borden (Biblioteca Pública de Boston)
Doce, delicioso e calórico, o leite condensado é um alimento que pode parecer antiquado, arcaico ou talvez muito açucarado para nossa dieta diária. No entanto, esse produto tem uma história curiosa por trás, que começa com a Guerra Civil Americana e termina com esse ingrediente se tornando um produto básico global.

O leite condensado é essencialmente leite de vaca do qual foi extraída água e adicionado açúcar. O resultado é um produto espesso e de sabor adocicado que pode ser conservado por vários anos em uma embalagem não refrigerada, desde que não tenha sido aberta.

Leite condensado (foto: Cocina delirante)

Após o processo de extração da água, o leite é submetido a um tratamento térmico para garantir a estabilidade do alimento em temperatura ambiente, desde que a embalagem esteja fechada.

Como o leite condensado contém grandes quantidades de açúcar, ele não precisa ser esterilizado. Portanto, o próprio açúcar, em grandes quantidades, é responsável por mantê-lo em boas condições. Essa quantidade de açúcar aumenta a chamada pressão osmótica, um processo que gera um desequilíbrio que leva à desidratação das células dos microrganismos e, consequentemente, à sua morte.

Além disso, a quantidade de açúcar reduz a atividade da água no alimento, de modo que os microrganismos não têm água disponível para o crescimento.

Esse produto doce foi patenteado em 1856 pelo americano Gail Borden, inventor do processo industrial de fabricação dessa guloseima açucarada. Sua invenção surgiu da necessidade de melhorar a segurança alimentar no século XIX, quando eram comuns os surtos de intoxicação alimentar devido ao consumo de leite estragado.

A tragédia observada por Borden durante uma viagem à Inglaterra em 1851, quando testemunhou a morte de crianças por consumir leite contaminado, levou-o a buscar um método para evitar tais incidentes. Inspirado nas técnicas de evaporação já utilizadas para condensar sucos, ele conseguiu criar um processo que condensava o leite sem queimá-lo ou coalhá-lo, marcando um marco na história da tecnologia de alimentos.

Pouco depois de sua invenção, o leite condensado já começou a ser usado no contexto da guerra; ele foi usado como alimento para os soldados da União durante a Guerra Civil (1861-1865). O motivo por trás dessa decisão é simples: o leite condensado em lata era fácil de transportar e se conservava muito bem sem a necessidade de refrigeração.

Além disso, embora em um contexto normal seja um alimento que pode ser considerado muito açucarado, ele é nutritivo em uma época de escassez: fornece energia, proteína, gordura e uma grande quantidade de açúcares.

O governo federal dos EUA encomendou grandes quantidades desse produto à Borden como ração de campo durante a guerra. Após a guerra, os soldados que voltavam para casa faziam propaganda boca a boca. No final da década de 1860, o leite condensado já era uma grande indústria.

Também entre os exércitos espanhóis, o leite condensado era de grande importância, conforme explicado no livro Historia de la industria láctea Española (História da indústria de laticínios espanhola). Esse produto lácteo foi, junto com a manteiga, um dos mais lucrativos durante a Primeira Guerra Mundial. Sua facilidade de transporte e longa vida útil o tornaram ideal para as tropas espanholas.

Na verdade, a Nestlé lançou sua produção de leite condensado na Espanha após esse conflito internacional. Também durante a Guerra Civil Espanhola, esse produto experimentou um boom. Nessa época, as indústrias espanholas abandonaram a produção de leite líquido, cujos principais mercados foram cortados, e se concentraram em outros produtos com prazo de validade mais longo.

De remédio para raquitismo a doce indulgência

Durante muitos anos, o leite condensado foi um produto conhecido e valorizado por suas diferentes características. Sua fama foi transferida até mesmo para a literatura, quando Pío Baroja, em sua obra El árbol de la ciencia, elogiou as propriedades nutricionais do leite condensado, recomendando-o como remédio para o raquitismo infantil.

Mantou chinês e bombom de café, duas receitas com leite condensado (Getty Images)

 

No entanto, hoje em dia, suas propriedades nutricionais não são o fator mais interessante, pelo contrário, é o que mais afasta o público de seu consumo.

Esse produto calórico e açucarado perdeu popularidade nas últimas décadas, embora ainda seja usado em sobremesas em todo o mundo e também como ingrediente-chave em certas apresentações de café. Cà phê sữa đá (um tipo de café vietnamita) ou café bonbon (café com leite condensado) são dois exemplos de bebidas com cafeína que exigem o sabor doce desse leite.

A tarta de tres leches latino-americana, a torta de pan venezuelana ou a tarta de lima de los Cayos americana são algumas das receitas que utilizam esse ingrediente, assim como outros doces orientais, como o mantou, pães chineses fritos que são acompanhados de leite condensado.

 

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER