O Mundial do Queijo do Brasil est chegando, de 11 a 14 de abril no teatro B32 em São Paulo e um dos assuntos importantes do programa Via Láctea, que reúne conferências e cursos no evento, são os micróbios os que dão gosto e personalidade aos queijos.
queijo
"Novo queijo azul da Pardinho Artesanal e sua autora, Vanessa Alcolea, que usa mofo Penicillium roqueforti no interior Foto: Débora Pereira/SerTãoBras"
Quem ama o assunto não pode perder a palestra A biodiversidade das culturas lácteas na criação de texturas e aromas: uma jornada sensorial ao longo da maturação, que sera feita pelos brasileiros Rodrigo Magalhães e Jansen Torres e o francês Julien Gadbin-Dherbecourt, PhD, especialistas em culturas, fermentos e mofos que dão mais sabor aos queijos. Dura três horas e termina deliciosamente com uma degustação de queijos desenvolvidos por eles.

 

Queijo pirâmide do bosque, coberto de Penicillium camemberti da produtora Heloisa Collins
Queijo pirâmide do bosque, coberto de Penicillium camemberti da produtora Heloisa Collins Foto: Débora Pereira/SerTãoBras

 

O tema da microbiodiversidade queijeira vai ser tratado também na palestra Benefícios do leite cru, do francês Arnaud Sperat Czar, presidente da Fondation Lait Cru (fundação leite cru) da França. Ele vai apresentar o resultado que serão publicados em breve na França, em setembro, no Livro Branco do Leite Cru, um conjunto de pesquisas e argumentos que defendem os queijos de leite cru como os alimentos mais cheios de micróbios para sermos pessoas saudáveis e felizes.

 

Queijos da Fazenda Zagaia, associada da SerTãoBras na serra da Canastra
Queijos da Fazenda Zagaia, associada da SerTãoBras na serra da Canastra Foto: Zagaia/Acervo Pessoal

 

Como o assunto dos mofos de queijos esta pegando fogo em Minas Gerais, o Mundial vai ter uma mesa redonda com produtores ícones dos queijos de casca florida na Serra da Canastra: Nilseia Vilela, da fazenda Quintal do Glória, Sérgio Alves, de Piumhi e Ivair de Oliveira, de São Roque de Minas. Junto com eles, dois pesquisadores do assunto: Luis Roberto, professor de microbiologia da Universidade Federal de Lavras e Fabiana Couto, professora no Instituto Federal de Minas Gerais, Campus Bambuí, Serra da Canastra.

 

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER