Verde Campo é vendida à Laticínios Porto Alegre, que terá fatia de 70%, e aos fundadores Alessandro Rios e Álvaro Gazola, que ficarão com os outros 30%
coca
"Pelo acordo firmado com a Coca-Cola, a Porto Alegre terá 70% do capital da Verde Campo, e os outros dois sócios terão 30%"
A Coca-Cola Company, por meio da Leão Alimentos, acertou a venda da fabricante de lácteos Verde Campo para a Laticínios Porto Alegre — que pertence ao grupo suíço Emmi Group — e para os próprios fundadores da Verde Campo, Alessandro Rios e Álvaro Gazola. O negócio marca a saída da Coca-Cola do segmento no Brasil.

Os sócios usaram recursos próprios para a aquisição, mas o valor da operação é mantido em sigilo. Pelo acordo, a Porto Alegre terá 70% do capital da Verde Campo, e os outros dois sócios terão 30%. Rios e Gazola participarão do conselho de administração, assim como a Emmi Group, que desde 2017 é dona de 70% da Porto Alegre.

“Nós estamos ampliando ainda mais nossa posição no mercado brasileiro e aumentando o valor do nosso portfólio. Estamos certos de que, unindo forças com os fundadores da Verde Campo, podemos por a marca na rota de crescimento rentável”, disse Ricarda Demarmels, CEO da Emmi Group.

“Já somos parceiros em outros negócios, e resolvemos unir forças para fazer essa compra”, disse Rios ao Valor. Segundo o empresário, a Coca-Cola tomou a decisão de vender operações em áreas em que sua relevância é pequena. Globalmente, a empresa produzia em torno de 400 tipos de bebidas, mas já anunciou que vai deixar de produzir cerca de metade delas.

Por enquanto, a decisão da Coca de sair de lácteos ocorreu somente no Brasil. Na América do Norte, a companhia anunciou em 2023 um aporte de US$ 650 milhões em uma fábrica de laticínios nos Estados Unidos, está investindo US$ 133 milhões para ampliar a operação de sucos e lácteos da Jugos del Valle – Santa Clara no México e inaugurou uma indústria de lácteos no Canadá.

Ontem (15/4), a Verde Campo enviou um comunicado aos clientes informando que a venda foi “decisão estratégica da Coca-Cola Company, parte da constante avaliação dos ativos da companhia, que permite lapidar o portfólio nos mercados onde opera”. Procurada, a Verde Campo e a Coca-Cola não comentaram o assunto.

Rios e Gazola fundaram a Verde Campo em 1999 e a venderam para a Coca-Cola, por meio da Leão Alimentos, no fim de 2015. A empresa mineira tem como foco a produção de laticínios funcionais, como zero lactose, com alto teor proteico e com probióticos.

Ela processa em torno de 120 mil litros de leite por dia e faturou R$ 423 milhões em 2023. “Mesmo que a Coca-Cola tenha mantido o propósito da empresa, entendo que ela ainda tem um potencial muito grande e que faz sentido voltar para a operação”, disse Rios.

Segundo João Lúcio Barreto Carneiro, presidente da Porto Alegre, a operação da Verde Campo seguirá independente. A companhia vai contratar um executivo do mercado para atuar como CEO, e os cerca de 550 empregados atuais serão mantidos após a aquisição.

“Temos crescido acima de dois dígitos por ano. A ideia com a compra é somar, mantendo o ritmo acelerado de crescimento”, afirmou Carneiro. Ele observou que as linhas da Verde Campo são complementares ao portfólio da Porto Alegre, o que vai permitir à companhia vender mais itens por varejista.

Ele também considerou que a presença da marca Verde Campo em todas as capitais do país pode ajudar a Porto Alegre a introduzir seus produtos em novas praças. Carneiro disse ainda que a Verde Campo poderá aproveitar a estrutura fabril da Porto Alegre para ampliar sua produção no futuro.

Com uma capacidade de processamento diário de 1,2 milhão de litros de leite, a Porto Alegre é a terceira maior empresa de laticínios de Minas Gerais. A companhia tem sede em Ponte Nova (MG) e fábricas em Ponte Nova, Mutum (MG), Antonio Carlos (MG), Rio Novo do Sul (ES) e Valença (RJ) e emprega 1,9 mil pessoas.

A empresa produz queijos, cremes de queijo, leite UHT, creme de leite, manteiga, leite em pó, soro de leite em pó e iogurtes, com oferta tanto de itens básicos quanto premium.

A Porto Alegre concentra a maior parte de suas vendas em Minas e tem ampliado sua participação no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. A empresa gerou receita bruta de R$ 1,7 bilhão em 2023 e tem perspectiva de chegar a cerca de R$ 2 bilhões neste ano — sem incluir os ganhos com a aquisição.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER