A filosofia vegana exclui todas as formas de origem animal para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade em todas as áreas de consumo. Lácteos são leite, e o leite só pode provir das glândulas mamárias de uma vaca, e de alguns outros animais.
A legislação proíbe o uso de termos como "leite", "queijo", "iogurte" e outros associados a produtos lácteos para designar alimentos que não são derivados de animais.
A legislação proíbe o uso de termos como "leite", "queijo", "iogurte" e outros associados a produtos lácteos para designar alimentos que não são derivados de animais.

Lácteos são leite, e o leite só pode provir das glândulas mamárias de uma vaca

O Codex Alimentarius, o organismo internacional de normas alimentares mais elevado, subsidiário da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), cria normas universalmente uniformes que servem para proteger os consumidores de alimentos inseguros e para permitir aos produtores, fabricantes e comerciantes o acesso aos mercados através da remoção de barreiras artificiais. Baseia-se em ciência sólida e é aceite como um quadro de referência.

As suas normas abrangem rotulagem, aditivos, métodos de análise e testes, higiene alimentar, nutrição e alimentos para dietas especiais, sistemas de importação, inspecção e certificação, entre outras coisas.

É um código de moral e ética, não só para o comércio internacional, mas para que os consumidores saibam sem dúvida que o que estamos a pôr na boca é o que diz ser e não “algo do género”.

Quando se trata de garantias, é da maior importância chamar as coisas pelos seus nomes

Para o Codex Alimentarius o leite é a secreção mamária normal de animais leiteiros obtida por uma ou mais ordenhas sem qualquer tipo de adição ou extracção, destinada ao consumo como leite líquido ou transformação posterior; e o lácteo é um produto obtido por qualquer transformação de leite, que pode conter aditivos alimentares e outros ingredientes funcionalmente necessários para a transformação.

O mesmo é afirmado no artigo 553, Capítulo VIII do Código Alimentar Argentino referente aos produtos lácteos.

No Brasil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) e as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) regulam a denominação e a rotulagem de alimentos, incluindo produtos à base de plantas que buscam imitar produtos lácteos. A legislação proíbe o uso de termos como “leite”, “queijo”, “iogurte” e outros associados a produtos lácteos para designar alimentos que não são derivados de animais.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

Não existe tal coisa como os lacticínios veganos

Porque é que nos incomoda tanto quando alimentos que nem sequer envolvem remotamente leite são chamados lacticínios? Será que temos tantos ciúmes das nossas vacas que não queremos dar o nome do seu produto mais nobre a outras coisas? E talvez sejamos um pouco, mas para sermos objectivos, a resemantização é um jogo que está tanto na moda como perigoso, e pode levar-nos a lugares onde não queremos estar.

A FDA é a US Food and Drug Administration para os EEUU, e as suas determinações são influentes para o mundo. Tanto assim que estamos todos apavorados por ter publicado um guia de rotulagem de bebidas vegetais, que permite que o “leite” seja utilizado na sua designação.

O valor nutricional do leite não pode ser substituído pelo de qualquer bebida vegetal. Não há nada nestes produtos, além da cor, que possa ser comparado com o leite verdadeiro. Ah, mas sugerem uma declaração voluntária de valores nutricionais em comparação com o leite real.

Giuseppe Ambrosi, presidente da Associação Europeia de Lacticínios (EDA) diz que existe um mercado válido para todos estes produtos à base de plantas, e que esta coexistência não deve ser um problema, desde que se promova o fair play. Mas parece que este não é o caso.

Andrea Passerini é conhecida por todos nós que estamos envolvidos na produção de lacticínios, é uma produtora de verdadeiro leite de vaca na Argentina, e como se fosse uma piada de mau gosto, há algum tempo atrás, o seu filho comprou por engano um produto vegetal disfarçado de mozzarella, muito bem camuflado entre uma gôndola de queijos.

Na aparência, é idêntico. Podemos até identificar uma vaca na sua embalagem, para reforçar visualmente que se trata de um quê? produto lácteo? Eu não ficaria feliz se alguém usasse a minha imagem para dar prestígio a um produto que não passa de uma fraude. Será que essas vacas ficarão felizes, como dizia no rótulo?? Bem, não, porque elas não existem.

Mas se prestarmos muita atenção, a verdade da milanesa (que claramente não será napolitana porque… não teria queijo) está disponível na informação que fornece, o que isenta legalmente?… os seus fabricantes.

“Usam estes truques como “vacas felizes” para enganar a percepção do consumidor, associando o consumidor a um produto que se preocupa com o bem-estar animal. Isto está muito longe do que realmente é e do que se pretende com esta filosofia. Contudo, as zonas cinzentas dos regulamentos e leis deixam em aberto a possibilidade de engano”, diz Pablo Rach, um veterinário de Elortondo, Santa Fé na Argentina.

A FDA baseia-se no pressuposto de que o consumidor já sabe que a bebida vegetal não é leite, mas a US Dairy Industry Federation diz que o erro de ter permitido que o termo leite fosse utilizado para bebidas vegetais em primeiro lugar não é razão para continuar a cometer o erro no presente.

O Parlamento Europeu e a Comissão Europeia emitiram recentemente regras sobre a denominação de produtos de origem vegetal que se assemelham a produtos lácteos. De acordo com o novo regulamento, os produtos de origem vegetal não podem usar termos tradicionalmente associados a produtos lácteos, como “leite” ou “queijo”, em sua rotulagem ou marketing (EUR-Lex) (EUR-Lex).

Essa medida está de acordo com as políticas atuais da UE que buscam evitar confusão entre os consumidores e proteger a integridade dos produtos lácteos tradicionais. Assim, termos como “leite de amêndoa” ou “queijo de soja” não serão permitidos, e os produtores de alternativas à base de plantas terão que encontrar novas maneiras de descrever seus produtos sem fazer referência a termos lácteos (EUR-Lex) (EUR-Lex).

E em casa?

Em casa sabemos, e é por isso que lhe dizemos incansavelmente, que consumir produtos lácteos é bom para si. E agora também lhe dizemos para estar atento e ler muito bem os rótulos, porque as “vacas sem vacas” estão ao virar da esquina.

 

Valeria Hamann

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Conheça As Variedades E Benefícios Para A Saúde E O Bem-Estar dos queijos.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER