Embora as regiões Oeste e Sudoeste se destaquem pelos volumes expressivos, é no Centro-Sul que se encontra a excelência na qualidade e competitividade, graças ao trabalho articulado de cooperativas e produtores locais.
A adoção de tecnologias de ponta tem sido um diferencial para os produtores de leite no Paraná.
A adoção de tecnologias de ponta tem sido um diferencial para os produtores de leite no Paraná.

Em 2023, o Paraná produziu aproximadamente 4,4 bilhões de litros de leite, consolidando-se como o segundo maior produtor do Brasil, ficando atrás apenas de Minas Gerais, de acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná.

Nos últimos 10 anos, a atividade cresceu 18,9%, mas a produção leiteira do Estado destaca-se não apenas pelo volume, mas também pela qualidade e eficiência, especialmente na região dos Campos Gerais.

Embora as regiões Oeste e Sudoeste se destaquem pelos volumes expressivos, é no Centro-Sul que se encontra a excelência na qualidade e competitividade, graças ao trabalho articulado de cooperativas e produtores locais.

Hernani Alves da Silva, engenheiro agrônomo e gerente de Projetos e Cadeias Produtivas do Emater/PR, oferece em entrevista exclusiva ao jornal O Presente Rural uma visão aprofundada deste cenário dinâmico e, em sua visão, promissor.

Foto Hernani e1719262337515

Engenheiro agrônomo e gerente de Projetos e Cadeias Produtivas do Emater/PR, Hernani Alves da Silva: “A produção de leite no Paraná, em termos de volume, qualidade e competitividade, está bem resolvida em algumas regiões, particularmente na região Centro-Sul do Estado” – Foto: Arquivo pessoal

O Diagnóstico da Cadeia Produtiva do Leite no Paraná, realizado em 2023 pelo IDR-Paraná, revela um panorama diversificado e em constante evolução.

“A produção de leite no Paraná, em termos de volume, qualidade e competitividade, está bem resolvida em algumas regiões, particularmente na região Centro-Sul do Estado, onde estão presentes as cooperativas Capal, Castrolanda, Frísia e Witmarsum, que formam o Pool Leite”, explica Hernani.

Ele destaca que estas cooperativas têm demonstrado uma capacidade exemplar de organização e eficiência, atuando de forma conjunta em toda a cadeia produtiva.

“Nesta região observamos alta escala de produção/propriedade, excelente qualidade do produto e competitividade no mercado, através da organização e estruturação destas cooperativas e operação conjunta na produção (fornecimento de insumos e assistência técnica), na logística (operam em conjunto o recolhimento da produção e industrialização) e no mercado (operam em conjunto), atendendo as expectativas do mercado.

Nesta região a ‘crise do leite’ é menos impactante. Existe maior segurança dos produtores para aumento sustentável da produção, produtividade, melhoria da qualidade e acesso ao mercado, com produtos diferenciados”, elenca.

O profissional explica que as regiões Oeste e Sudoeste também têm mostrado avanços significativos, com alta densidade econômica na cadeia produtiva e melhorias contínuas na qualidade do leite, impulsionadas pela assistência técnica das cooperativas e do IDR-Paraná.

No entanto, ele cita que “existem oportunidades para a produção de leite, como condições edafoclimáticas, culturais e sociais, mas as crises relacionadas ao mercado e a preços de leite geram insegurança e travam o crescimento”.

Por outro lado, nas demais regiões do Estado, como Noroeste e Norte, “o diagnóstico nos mostra grandes desafios, como baixa escala de produção, baixa oferta de assistência técnica e extensão rural, A ATER oficial e as cooperativas não têm conseguido atender esta demanda. Idade média elevada dos produtores, com dificuldades na sucessão familiar, falta de infraestrutura, como estradas, energia trifásica, comunicação e internet”, são outros pontos citados pelo gerente do Emater.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

Tecnologia e inovação

A adoção de tecnologias de ponta tem sido um diferencial para os produtores de leite no Paraná. Hernani destaca que “o diagnóstico nos mostra que temos avançado na produção de leite no Paraná, com melhoria na escala de produção, uso de raças especializadas (melhoramento genético) – 76,4% dos produtores estão utilizando raças especializadas – Jersey, holandesa ou cruzamento destas raças.

Além disso, a utilização de sistemas automatizados de ordenha e manejo do rebanho, assim como ferramentas de gestão zootécnica e econômica, tem transformado a produção leiteira no Estado.

Também avançamos, principalmente nas propriedades médias e grandes, no uso de tecnologia da informação, com o uso de sistemas automatizados de ordenha e manejo do rebanho e no uso de ferramentas de gestão zootécnica, qualidade do leite e gestão econômica através da Associação de Produtores (APCBRH)”.

Isso ajudou o Estado a ter uma produção ao longo de todo o ano e se posicionar estrategicamente entre os produtores de lácteos do país. “A produção e produtividade do leite já nãovacas Foto Giuliano De Luca OP Rural apresenta sazonalidade no Estado, oportunizando melhor acesso ao mercado em relação a outros Estados na oferta da produção”, observa Hernani.

“De maneira geral ocorreram incrementos importantes na produção de alimentos volumosos, através do uso de tecnologias disponíveis, materiais genéticos, manejo e fertilidade do solo e no próprio manejo da produção de forragens, com melhoria na produtividade e qualidade dos alimentos”.

Desafios atuais

Apesar dos avanços, os produtores enfrentam desafios técnicos e de mercado que precisam ser superados para garantir a sustentabilidade do setor.

Hernani identifica vários obstáculos: “O Diagnóstico da produção de leite no Estado nos mostrou alguns desafios: alto custo de produção, baixa lucratividade, falta de valorização da atividade leiteira, elevada carga de trabalho diária (penosidade), sucessão familiar nas unidades produtivas, pressão da sociedade por baixos preços e falta de assistência técnica”, enumera.

Sustentabilidade

A sustentabilidade ambiental e econômica é uma prioridade para os produtores de leite no Paraná. Hernani explica que “de uma maneira geral os sistemas de produção de leite são sustentáveis no Paraná, do ponto de vista ambiental.

A maioria da produção é oriunda de sistemas com base na pastagem e/ou suplemento no cocho com forragem (silagem de milho e silagem de gramíneas). Nestes sistemas é comum o uso de sistema integrado de produção, com o sistema silvipastoril, que consiste na combinação de árvores, pastagem e gado numa mesma área e ao mesmo tempo, oferecendo boas condições de ambiente para produção de leite”.

campos geraisNos sistemas mais intensificados, como confinados e semiconfinados, a sustentabilidade ambiental é mantida com tratamentos adequados dos dejetos e boas práticas de bem-estar animal.

“Nestes sistemas mais intensivos também apresentam boas condições de bem-estar animal, oferecendo conforto térmico para produção e reprodução e conforto físico (alojamento animal), preservando a saúde dos animais”, aponta o profissional.

Crescimento sustentável

As perspectivas para o setor de laticínios no Paraná são otimistas, aponta Hernani. Ele prevê um aumento na produção por propriedade e uma redução no número total de propriedades, sem comprometer a produção total. “O diagnóstico da atividade leiteira nos mostra a tendência de aumento na produção/propriedade, e redução no número de propriedades, sem redução da produção total.

Permanecerão na atividade as propriedades com sistema de produção mais ajustado, com eficiência na gestão técnica e econômica da propriedade”, cita.

Um diagnóstico do estudo de 2023 revela que 54,71% dos produtores planejam aumentar a produção diária, enquanto 43,77% pretendem melhorar geneticamente o rebanho. Apenas 1,78% consideram vender a propriedade, indicando uma confiança geral no futuro do setor (veja gráfico 1 com mais intenções dos produtores de leite do Paraná).

Políticas públicas

O governo estadual desempenha um papel importante no apoio ao desenvolvimento do setor de laticínios. Hernani destaca políticas públicas importantes como o PRONAF e o Banco do Agricultor Paranaense, que oferecem crédito e apoio financeiro aos produtores.

“Algumas políticas públicas disponibilizadas aos produtores de leite, principalmente na oferta de crédito para custeio e investimento e sustentabilidade econômica dos sistemas de produção.

Na disponibilidade de crédito se destacam o PRONAF – Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar, que disponibiliza crédito àquelas famílias que se enquadram como agricultores familiares, destinando apoio financeiro às atividades agropecuárias exploradas mediante emprego direto da força de trabalho do produtor e sua família, com juros subsidiados e prazos adequados”.

Outra política importante é o Banco do Agricultor Paranaense, que “possibilita ao Governo do Estado conceder subvenção econômica a produtores rurais, cooperativas e associações

Ceva vacas em um estabulo comendo feno

Foto: Shutterstock

de produção, comercialização e a agroindústria familiar, além de projetos que utilizem fontes renováveis de energia e programas destinados à irrigação”.

Hernani também destaca a importância do serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural (IDR-Paraná), que “atualmente consegue atender 22% dos produtores de leite do Estado, e os resultados obtidos são animadores, do ponto de vista econômico, social e ambiental, mostrando a importância desta política pública para a cadeia produtiva do leite no Paraná, que é essencialmente formada por agricultores familiares”.

Mercados

A diversificação da produção de laticínios, incluindo queijos especiais e iogurtes, é uma área com grande potencial de crescimento. Hernani sugere que “melhorar a qualidade e o rendimento industrial do leite, com aumento do percentual de gordura e proteína na composição e pagamento por sólidos totais”, é crucial para a diversificação bem-sucedida.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

O setor de laticínios do Paraná tem demonstrado resiliência frente às crises, apostando na fidelização e formalização das relações entre produtores e indústrias.

Hernani menciona a necessidade de “fidelizar e formalizar o relacionamento técnico e comercial entre produtores de leite e indústrias de laticínios por meio de parcerias duradouras, como no exemplo do Pool Leite”.

Melhorar a eficiência e o desempenho dos sistemas de produção, adequando-os aos princípios da sustentabilidade e bem-estar animal, é fundamental para acessar novos mercados.

Hernani enfatiza a importância de “produzir leite com alta qualidade, a custo baixo e com organização logística eficiente para ser competitivo no mercado global como os principais exportadores mundiais, melhorar a eficiência e o desempenho agronômico e zootécnico dos diversos sistemas de produção de leite no Paraná, adequando a produção aos princípios da sustentabilidade, governança socioambiental (ESG) e bem-estar animal”.

vacas foto Gisele Rosso

Foto: Gisele Rosso

Hernani também destaca a necessidade de “melhorar a logística e a infraestrutura nas regiões produtoras de leite com investimentos em estradas, energia trifásica e internet, além de conquistar e manter a excelência sanitária e biossegurança dos rebanhos com serviço de defesa agropecuária e sanidade robusta”.

Alianças estratégicas

As parcerias entre produtores, indústrias, instituições de pesquisa e o governo são fundamentais para o desenvolvimento do setor.

Hernani ressalta a necessidade de melhorar a organização e governança da cadeia produtiva do leite com estratégias setoriais pré-competitivas, eliminação de assimetrias tributárias, intercooperação visando eficiência na logística e investimentos em marketing geral para aumento do consumo de lácteos.

Ele também destaca a importância de proporcionar ao produtor rural e ao empresário industrial, qualificação em gestão empresarial, fomentando o empreendedorismo e a expansão sustentável do seu negócio, desenvolvimento de modelos de fidelização e contratualização da relação entre produtores de leite e indústrias, bem como modelos de pagamento do leite por qualidade e por sólidos.

“Estímulo à inovação e investimentos por parte do IDR-Paraná, APCBRH e parcerias no desenvolvimento de equipamentos” também são apontados como cruciais por Hernani para garantir a competitividade do setor.

Com um olhar no futuro e uma base sólida de inovação e sustentabilidade, o Paraná está bem posicionado para continuar entre os líderes da produção de leite no Brasil. A combinação de excelência técnica, apoio institucional e resiliência dos produtores garante que o setor de laticínios do Estado continue a crescer e prosperar.

 

grafico leite

Gráfico 1: Em 2023 o IDR-PR fez o seguinte questionamento. No horizonte de 5 anos, quais os seus planos para a sua propriedade?

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Os produtores de leite no Brasil enfrentam incertezas com os preços em baixa e as importações. Na análise do secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul, Darlan Palharini, a recuperação da cadeia produtiva vai depender da melhoria nos custos de produção.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER