Para proteger nossos pecuaristas, seria essencial a criação de cotas de importação do leite, que permita o comércio, mas não afete a nossa cadeia de produção.
leite
É natural a importação para estabilizar preços e garantir o abastecimento. Afinal, a maior parte dos consumidores de leite é pobre.
Há uma crise que se avizinha no segmento da produção de leite, por mais que estejamos alertando há meses, e que poderá afetar, de forma definitiva, a vida de pequenos e médios produtores.

É urgente que algumas medidas sejam tomadas, a fim de garantir a sobrevivência do pecuarista e manter o país entre os cinco mais importantes produtores mundiais.

A situação do produtor vem piorando há alguns anos. Os baixos preços pagos, diminuindo a margem de lucro, e a perda acumulada ao longo dos últimos anos, têm levado alguns produtores paulistas, em especial do Vale do Paraíba e do Mirante do Paranapanema, a abandonar o campo. Isso, certamente, vai afetar os melhoramentos genéticos contínuos que estão sendo feitos ao longo dos últimos 80 anos.

Estamos atentos para que essas bacias, que são importantes em nosso Estado, não desapareçam. A esse achatamento da lucratividade estão se juntando novos fatores, que afetam negativamente o frágil equilíbrio da bovinocultura leiteira.

 — Foto: Globo Rural
— Foto: Globo Rural

A importação desenfreada de leite em pó, em especial da Argentina e Uruguai, a partir de 2023, tem ajudado a piorar a situação. Apenas nos primeiros dois meses de 2024 essa aquisição aumentou em relação ao primeiro bimestre do ano anterior.

Assim como o Brasil, um dos maiores exportadores de commodities agrícolas mundiais, os nossos parceiros do Mercosul também têm direito de comercializar seus produtos. Todavia é notório que há um desequilíbrio que está impactando a competitividade do produtor brasileiro.

E, para proteger os nossos pecuaristas, acho que seria essencial a criação de cotas de importação, que permita o comércio, mas não afete a nossa cadeia de produção. Dessa forma, estabelecendo regras para a compra do leite em pó importado, garantiríamos o sustento de milhares de famílias e manteríamos viva a bovinocultura leiteira.

Programas como o Mais Leite Saudável, do governo federal, são importantes, por dar suporte ao setor produtivo por meio de um incentivo concedido às agroindústrias, laticínios e cooperativas, com a utilização de créditos presumidos do PIS/PASEP e da Cofins, na compra de leite in natura, mas é preciso avaliar se realmente o pequeno e médio pecuarista está sendo beneficiado.

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER