Pecuarista em Minas Gerais recebeu, em média, R$ 2,20 em março pelo litro do produto captado em fevereiro
Preço
Mesmo com a alta, valor ainda ficou abaixo do esperado pelo setor produtivo do leite; no País, média foi de R$ 2,23
Em março, o produtor de leite de Minas Gerais recebeu, em média, R$ 2,2 pelo litro do produto captado em fevereiro. Conforme os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), apesar do aumento de 4,42% frente ao mês anterior, a cotação ficou 25% abaixo do preço praticado em igual período do ano passado, quando o litro registrava média de R$ 2,75.

O cenário visto em Minas Gerais se repete em nível nacional. Conforme o Cepea, o preço do leite captado em fevereiro e pago em março foi de R$ 2,23 por litro. O preço supera em 3,8% o registrado no pagamento anterior. A elevação foi a quarta mensal consecutiva. Mas, assim como visto em Minas, mesmo com o aumento, a média nacional ainda ficou 21,6% abaixo da registrada em igual período de 2023.

Conforme a pesquisadora do Cepea, Natália Grigol, a alta nos valores vem de uma captação de leite menor. A produção leiteira em Minas Gerais e no Brasil vem enfrentando desafios com o aumento das importações e preços aquém do necessários para garantir lucro. Assim, há um desestímulo por parte dos produtores, que estão reduzindo os investimentos e a captação.

“O movimento altista no campo, iniciado em novembro de 2023 ocorre em função da menor produção no campo e do acirramento da disputa entre laticínios e cooperativas por fornecedores. O Índice de Captação Leiteira (Icap-L) do Cepea caiu 3,35% de janeiro para fevereiro, acumulando baixa de 5,2% no primeiro bimestre deste ano. Por sua vez, a queda na oferta se explica pelo clima (seca e calor), mas, sobretudo, pelas margens espremidas dos pecuaristas nos últimos meses, que levaram à redução de investimentos dentro da porteira”.

Estimativa é de nova alta no preço do leite para pagamento em abril

Com a captação menor, a tendência para abril é de nova valorização do preço pago pelo leite. Conforme o Conselho Paritário entre Produtores de Leite e Indústrias de Laticínios (Conseleite-MG), o valor médio de referência do leite entregue em março e que será pago agora, em abril, é de R$ 2,3243. A cifra é maior que os R$ 2,2863 pagos em março.

Mesmo com a alta, o valor ficou abaixo do esperado pelo setor produtivo do leite. Conforme o presidente da Comissão Técnica da Pecuária de Leite do Sistema Faemg/Senar e integrante da diretoria do Conseleite-MG, Jônadan Ma, as importações ainda elevadas impactam de forma negativa na cotação.

“Uma preocupação maior que nos foi apresentada foi o alto nível de importações de leite em pó e de queijos também em março. Houve uma pequena redução em relação ao mês anterior, no caso de fevereiro, e em relação ao mesmo período do ano passado. No entanto, a importação foi na ordem de 185 milhões de litros”, disse Ma.

O representante da comissão de leite ressalta ainda que o aumento das importações ocorreu mesmo com a vigência do Decreto 11.732, que alterou as regras do benefício tributário para empresas que adquirem leite in natura. A medida pretendia ampliar a competitividade da produção nacional e desincentivar as importações de lácteos.

“Isso prova que existem outras áreas, outros segmentos importando leite em pó e queijo que não sejam meramente laticínios. Outras indústrias de alimentos, atacadistas, varejistas, importadores, e isso também está desbalanceando demais a nossa cadeia produtiva”.

 

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER