O produtor afirmou que os robôs foram um primeiro passo para as tecnologias. No Show Rural deste ano, Tomazi aproveitou a oportunidade para financiar um drone importado, com apoio do Sicoob Credicapital, que será usado para fazer aplicação na lavoura.
Hoje, a produção conta com mais de 300 animais no rebanho, divididos entre novilho e bezerro, com 160 vacas na ordenha. Produtor
Hoje, a produção conta com mais de 300 animais no rebanho, divididos entre novilho e bezerro, com 160 vacas na ordenha.
Morador de Três Barras do Paraná há 40 anos, Geraldo Tomazi é um “produtor de alimentos”, como ele gosta de se descrever, atuando na produção de milho, soja e, desde 2005, pecuária leiteira.

Ele conta que quando iniciou o projeto com as vacas leiteiras, não tinha mapeado até onde chegaria. À época, a família tinha um lote de 12 novilhas, com capacidade de produção de mil litros de leite por dia. “Conforme as coisas vão evoluindo, as necessidades vão surgindo. Você amplia as vacas, tem que comprar uma máquina para tratar, tem que fazer um barracão… e assim foi”.

Hoje, a produção conta com mais de 300 animais no rebanho, divididos entre novilho e bezerro, com 160 vacas na ordenha. Para dar conta de todo esse trabalho e garantir uma produção de qualidade, há três anos a família adquiriu dois robôs para ordenha, em que é possível acompanhar diversos indicadores, como a produção por animal. Em média, cada vaca produz 43 litros diariamente, chegando a uma produção de 6 mil litros.

Os robôs foram um primeiro passo para as tecnologias. No Show Rural deste ano, Tomazi aproveitou a oportunidade para financiar um drone importado, com apoio do Sicoob Credicapital, que será usado para fazer aplicação na lavoura. “Meus dois filhos trabalham comigo e eles são mais curiosos do que eu, começaram a fazer cálculos, porque o amassamento de um trator dava perca na lavoura, quanto é essa perca? E a viabilidade de adquirir um drone e em quanto tempo ele se pagaria? Então vimos que com essa economia do amassamento, o drone é viável”.

Para ele, o que impressionou no processo foi a agilidade. “Encaminhamos o pedido para o Sicoob, temos alguns investimentos em bancos tradicionais e existe uma morosidade para sair um projeto. Eu fiquei admirado com a agilidade da cooperativa”.

Ele destaca ainda a importância do cooperativismo para o setor. “Escolhemos o Sicoob porque temos a conta, o gerente é nosso amigo e temos que valorizar o local. Eu sou do sistema cooperativo, sou associado da Coopavel desde 1987 e assim que as cooperativas de crédito surgiram, ingressamos também, porque hoje a cooperativa é um diferencial na nossa atividade muito grande”.

Além do maquinário e da tecnologia que existem na propriedade, o cooperado conta que a atualização do estudo também é importante, sendo que ele possui uma pós-graduação MBA em Gestão Empresarial no Agronegócio pela FGV.

 

drone quad copter on green corn field

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER