Segundo parlamentar, essa mentalidade precisa ser mudada urgente em nosso país. “Tem gente que paga R$ 5,00 por 100ml de cachaça, mas reclama de pagar R$ 2,00 por 1 litro de leite ao produtor“, avalia Cattani.
Vamos valorizar o leite. Vamos valorizar quem o produz. E vamos garantir que todos possam acessá-lo de forma justa e sustentável.
Vamos valorizar o leite. Vamos valorizar quem o produz. E vamos garantir que todos possam acessá-lo de forma justa e sustentável.

Segundo parlamentar, essa mentalidade precisa ser mudada urgente em nosso país. “Tem gente que paga R$ 5,00 por 100ml de cachaça, mas reclama de pagar R$ 2,00 por 1 litro de leite ao produtor“, avalia Cattani.

A fala do deputado Gilberto Cattani durante a abertura do 1º Encontro de Laticínios em Cuiabá ecoa um sentimento que muitos de nós, envolvidos no setor agropecuário, compartilhamos. É curioso como nossa percepção de valor está, muitas vezes, completamente fora de sintonia com a realidade.

Valorização do produtor de leite

O parlamentar fez todos da plateia refletirem sob uma nova perspectiva, afirmando não ser contra a bebida destilada, mas sim a favor de uma melhor valorização do produto lácteo. “São 1000ml de leite, que é o alimento mais nobre, não só para o ser humano mas todo mamífero, e nunca valeu mais que 100ml de cachaça. Mas isso precisa ser mudado em nosso país. Apesar de que esse é um alimento essencial e ele precisa de fato não ser muito caro, pra que possa ser consumido, mas ele chega a gondola do supermercado a R$ 7 ou R$ 8 reais, então alguma coisa está errada na cadeia produtiva.“, pondera Cattani.

É fato que o leite é fundamental não só para o desenvolvimento das crianças, mas também para a saúde de adultos e idosos. No entanto, ele nunca é valorizado tanto quanto um gole de uma bebida alcoólica. Então “Isso precisa ser mudado em nosso país“, declarou o deputado. E ele está absolutamente certo. Se considerarmos a cadeia produtiva, o leite deveria ser mais valorizado.

Leite - laticínios
Abertura do 1º Encontro de Laticínios em Cuiabá, realizado nesta terça-feira, 04 de junho de 2024 – Foto: Agronews

Segundo Cattani, para combater esse problema de frente, foi criada na Assembleia Legislativa a CPI do Leite. E aqui ela faz uma observação crucial: “O maior avanço que conseguimos na ALMT foi realizar uma CPI que aproximou o produtor da indústria. Não existe produtor sem indústria e não existe indústria sem produtor.” Essa frase resume a essência da solução para muitos dos problemas enfrentados pelo setor: União.

A CPI do Leite não é apenas uma investigação, é uma tentativa de criar um diálogo, uma ponte entre produtores e indústrias. A união dessas duas partes é essencial para garantir que o leite seja valorizado de forma justa e que o preço reflita seu verdadeiro valor e importância. Precisamos que os produtores e as indústrias trabalhem juntos, ajustem suas práticas e encontrem um meio-termo que beneficie todos, especialmente os consumidores. “Nós precisamos que os dois se entendam, se ajustem e que trabalhem unidos para que possa valorizar o produto das duas partes.” É um chamado à colaboração, à transparência e à busca de soluções práticas e eficazes.

O leite é mais do que um simples produto; é um símbolo de nossa capacidade de produzir alimentos essenciais de alta qualidade. É um reflexo de nossa habilidade de inovar e melhorar, mas também de cuidar e valorizar o que realmente importa. E se você ainda tiver dúvidas sobre a importância deste alimento para nossas vidas, acesse aqui no Agronews os inúmeros artigos que tratam sobre o assunto. Clique aqui e saiba mais!

Vamos valorizar o leite. Vamos valorizar quem o produz. E vamos garantir que todos possam acessá-lo de forma justa e sustentável.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER