Para propor a melhoria genética do rebanho leiteiro e da produção de leite em Mato Grosso do Sul, o Governo do Estado recebeu hoje (3), o projeto da Frente Parlamentar do Leite da ALEMS (Assembleia Legislativa de MS).
GOVERNO
"O projeto de melhoramento genético para pecuária de leite, foi desenvolvido por professores da UEMS"
O governador, Eduardo Riedel, se reuniu com o deputado estadual e coordenador da Frente, Renato Câmara, além do secretário executivo de Desenvolvimento Econômico Sustentável da Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), Rogério Beretta, e outros representantes da área, para discutir sobre melhorias ao setor.

“Essa movimentação da Frente parlamentar é muito importante. E me chama atenção ser um projeto voltado a genética, como uma das bases para melhoria da produtividade. E pode fazer a diferente, porque tem a pré-seleção”, afirmou Riedel.

O projeto de melhoramento genético para pecuária de leite, foi desenvolvido por professores da UEMS (Universidade do Estado de Mato Grosso do Sul) – que também participaram da reunião –, voltado a melhoria do rebanho e, consequentemente, da produção. “Vem atender o problema da pecuária de leite, que é a baixa produtividade do nosso rebanho.

É muito interessante, importante dizer que a Câmara Setorial do Leite tem pronto para ser aprovado, um plano de fomento da pecuária de leite, o Proleite. Este projeto está alinhando com os objetivos do plano, é de melhoramento genético. É um ato que faz com que o rebanho melhore rapidamente e consiga aumentar os índices de produtividade e produção de leite no Estado todo”, afirmou Beretta.

A Frente Parlamentar do Leite foi criada para subsidiar com informações técnicas e dados estatísticos, as iniciativas legislativas de interesse da sociedade sobre o tema, em especial aquelas voltadas à produção, industrialização e comercialização do leite e seus derivados. E ainda para estimular a atividade de produção leiteira no Estado.

“Sabemos que os produtores de leite enfrentam dificuldades e o cenário é desestimulante. Nossa intenção é mostrar uma alternativa. Estamos vendo o projeto como uma maneira de virar essa chave”, afirmou Câmara

Natalia Yahn, Comunicação Governo de MS
Fotos: Bruno Rezende

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER