Parceria com a Lactális vai permitir o envase a partir de abril. Cooperativa também projeta retomar agrocenters
“Temos essa parceria com a Lactális que vai fazer com retornamos ao mercado.”
A cooperativa Languiru, em meio à reestruturação, após confirmar venda de seu frigorífico de suínos para a JBS, anuncia mais um passo na parceria com a Lactális. Esse novo momento é marcado pelo retorno do envase de leite sob a marca Languiru nos mercados.

Conforme o presidente da cooperativa, Paulo Birck, isso deve ocorrer a partir de abril. “Temos essa parceria com a Lactális que vai fazer com retornamos ao mercado.” Cita que todo leite da marca Languiru será industrializado e envasado na planta da Lactális.

Além do leite, a cooperativa estabeleceu parcerias estratégicas para a produção de rações, que passará a ser fornecida para a suinocultura por meio da fábrica em Estrela, otimizando a produção e fortalecendo o segmento de grãos. “Esta iniciativa visa fortalecer a cooperativa para a próxima safra”, destaca.

Birck enfatizou que a cooperação com a JBS também possibilitará a operação do frigorífico avícola da Languiru em plena capacidade, já abatendo aves para a empresa. A previsão é que o frigorífico retome suas atividades em dois turnos, processando cerca de 150 mil aves por dia, gerando receita para a cooperativa.

A cooperativa Languiru também planeja reativar outros segmentos, como o agrocenter, fornecendo insumos e serviços técnicos aos produtores. “Essas iniciativas têm o potencial de absorver mão de obra dispensada de outros setores, trazendo mais de mil colaboradores de volta ao trabalho.”

Birck destaca que outra receita que entrará são os aluguéis dos prédios que foram ocupados por supermercados. Além disso o presidente ressalta a importância do campo voltar a produzir, alojar suínos e aves. “Vamos voltar a empregar as pessoas e fazer com que a economia dos municípios voltem a girar.”

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER