A redução na oferta de leite e o aumento dos custos de produção amargados após a enchente começam a ser percebidos nos supermercados.
Leite, Para os laticínios, os percalços logísticos ainda ampliam o tempo das viagens ao interior e aos centros de distribuição de lácteos.
Para os laticínios, os percalços logísticos ainda ampliam o tempo das viagens ao interior e aos centros de distribuição de lácteos.

A redução na oferta de leite e o aumento dos custos de produção amargados após a enchente começam a ser percebidos nos supermercados.

A alta é evidenciada, principalmente, nos itens beneficiados. Conforme último Boletim de Preços do Centro de Inteligência do Leite da Embrapa (Cileite), só a muçarela, em nível nacional, subiu 6,3% em junho, ante o mesmo mês do ano passado. Já o leite UHT subiu 3,7% no período. “No mercado consumidor, os repasses seguem ocorrendo, com varejistas buscando melhores margens”, destaca o documento, que atribui parte do cenário à tragédia climática gaúcha.

Pasto não germina e insumos demoram a chegar ao campo

O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), Carlos Joel da Silva, relata que muitas vias seguem sem condições de trafegabilidade, tanto para a chegada dos insumos às propriedades como para a coleta da matéria-prima.

Os produtos lácteos veganos não existem – eDairyNews-BR

O custo ainda é onerado pela falta de estoques de comida para alimentar os planteis.

“A enchente levou o milho da silagem e a silagem que já estava pronta para esta época do ano”, diz Carlos Joel.

Com a terra encharcada tanto pela catástrofe como pela continuidade das chuvas, as novas pastagens, por sua vez, não germinam. E as que brotam não recebem luminosidade suficiente para crescer.

“O produtor não é o culpado. Tem que comprar alimento para o gado e isso tá saindo muito caro. Há uma dificuldade enorme para tratar os animais”, compartilha Silva.

Momento coincide com entressafra de leite no Brasil

Segundo o secretário-executivo do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat/RS), Darlan Palharini, o conjunto de desafios começa com a entressafra de leite no resto do país.

Como terceiro maior produtor nacional da matéria-prima, o Estado contribui com o abastecimento de regiões que, de maio a outubro, enfrentam a seca e a diminuição na oferta de leite e de lácteos.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

“Esse período seria, justamente, o ápice da produção leiteira do RS, de Santa Catarina e do Paraná”, lembra o secretário-executivo.

Para os laticínios, os percalços logísticos ainda ampliam o tempo das viagens ao interior e aos centros de distribuição de lácteos. Entre os municípios que ainda apresentam dificuldades, o executivo cita Serafina Corrêa, Casca e os localizados no Vale do Taquari.

“Têm, ainda, muitas pontes ou estradas que estão intransitáveis, fazendo com que a gente tenha que aumentar a rota”, explica Palharini. (Correio do Povo)

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

a glass of fresh milk isolated on a transparent background, a refreshment breakfast drink glass image PNG

Veja também

Conheça As Variedades E Benefícios Para A Saúde E O Bem-Estar dos queijos.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER