Há no ar a sensação de que determinadas autoridades no Brasil e no mundo não precisam de alimentos, tais são as asneiras que pregam.
Alimentos -Afinal, temos que salvar o planeta, e a grande pergunta que resta é: para quem?
Afinal, temos que salvar o planeta, e a grande pergunta que resta é: para quem?
Há no ar a sensação de que determinadas autoridades no Brasil e no mundo não precisam de alimentos, tais são as asneiras que pregam. O mais trágico é que, além da pregação, do proselitismo, a cada dia martelam mais um prego no caixão das pessoas de menor poder aquisitivo, os mais pobres.

O conceito de ‘fome zero’ se espalhou pelo mundo inteiro com a solução final e definitiva: eliminar, usando a própria fome, as pessoas mais carentes. Afinal, temos que salvar o planeta, e a grande pergunta que resta é: para quem?

Para os leitores deste artigo, perplexos com a sua abertura, transcrevo trechos do artigo “A guerra contra a comida”, de Duggan Flanakin, publicado no site CFACT, em 15 de maio de 2024:

“Em fevereiro, a CBS News informou que os preços dos alimentos continuaram a subir mais rapidamente do que o aumento do Índice de Preços ao Consumidor Geral. Os preços dos restaurantes aumentaram a uma taxa anual de 5,1%, enquanto os preços dos alimentos subiram 1,2%. Mas a verdadeira história é que os preços dos supermercados estão 25% mais elevados agora do que em janeiro de 2020, enquanto a inflação aumentou 19%.

Ao mesmo tempo, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, alertou que ‘o clima e o conflito são os dois principais motores da [nossa] crise alimentar global’. O chefe da ONU para o clima, Simon Stiell, afirmou que ‘é necessária agora uma ação rápida e sustentada para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e aumentar a resiliência para ajudar a impedir que [a fome crónica] fique fora de controle.

Há apenas três coisas erradas nos pronunciamentos da ONU. Primeiro, os ligeiros aumentos no dióxido de carbono deixaram o planeta 20% mais verde do que era há apenas 24 anos – segundo a NASA. O rendimento das colheitas aumentou 13% no mesmo período. Os desertos estão diminuindo. Isto sugere, e a ciência indica, que a diminuição do dióxido de carbono atmosférico provavelmente reverteria esta tendência, diminuindo a quantidade de terra arável.

Em segundo lugar, a ONU nada fez para impedir a carnificina da guerra na Ucrânia, em Gaza, no Sudão, em Mianmar e em muitos outros países. As políticas e mesmo o pessoal da ONU (nomeadamente em Gaza) exacerbaram os conflitos em muitas áreas. Terceiro, os mandatos da ONU relacionados com o clima causaram grandes desalinhamentos no desenvolvimento de infraestruturas africanas e prejudicaram os seus esforços de autossuficiência e segurança alimentar.

As mesmas nações que, após a Segunda Guerra Mundial, consideraram que os agricultores eram a chave para acabar com a insegurança alimentar, começaram a exigir que as mesmas famílias agrícolas abandonassem a agricultura ou mudassem radicalmente a forma como cultivam. Talvez o exemplo mais flagrante tenha sido a exigência do governo holandês, no final de 2022, de que até 3.000 agricultores vendessem as suas terras e desistissem, a menos que inovassem para reduzir drasticamente as emissões (de CO2 e metano), fizessem a transição para um novo tipo de negócio, se mudassem ou simplesmente pare.

No início deste mês, o Banco Mundial lançou um relatório brilhante intitulado ‘Receita para um planeta habitável: alcançar emissões líquidas zero no sistema agroalimentar’, uma meta que afirma ser vital para alcançar o zero líquido global e ‘salvar o planeta’. A produção de alimentos, disseram, gera quase um terço do dióxido de carbono da humanidade, mais do que o aquecimento e a eletricidade.

E assim, para alcançar este ‘nobre’ objectivo, o Banco Mundial delineou um ‘guia prático’ para controlar os agricultores malvados que estão a matar o planeta com alimentos. Os países de todos os níveis de rendimento (incluindo as nações africanas mais pobres) podem concentrar-se em seis áreas principais – investimentos, incentivos, informação, inovação, instituições e inclusão.

O que isto significa em termos práticos, diz o Político, é redirecionar os milhares de milhões que os países ricos gastam para promover produtos como a carne vermelha e os lacticínios para opções mais ‘amigas do clima’ como aves, frutas e vegetais. Um dos principais objetivos é a Política Agrícola Comum da UE, onde mais de 70% do orçamento subsidia a pecuária e um terço de todos os regimes de subsídios agrícolas apoiam a produção de carne vermelha e de lacticínios.

O jornalista britânico Andrew Orlowski, no entanto, afirma que a ação industrial levada a cabo pelos agricultores de toda a Europa, América Latina e Ásia devolveu a segurança alimentar à agenda noticiosa, após décadas de complacência. A nova campanha ‘No Farmers, No Food’ já conta com quatro vezes o número de apoiantes que o National Farming Union tem membros pagantes. A maioria aderiu para lutar contra decretos ambientais que dizem não fazer sentido.

Orlowski observa que o gado fertiliza e melhora a qualidade da terra, e o metano libertado pelos arrotos dos ruminantes é um gás com efeito de estufa de vida muito curta. No geral, o equilíbrio entre a pecuária e as culturas é um ciclo virtuoso e não vicioso que garante a ‘sustentabilidade’ da terra. Medidas que reduzem o fornecimento de alimentos são contraproducentes.

Nossa própria Administração Nacional Oceânica e Atmosférica acaba de divulgar um estudo afirmando que cozinhar alimentos polui o ar. Esses compostos orgânicos voláteis (COV) liberados pelo cozimento dos alimentos afetam negativamente a qualidade do ar, diz a NOAA.

No estudo, que se concentrou em Los Angeles, Las Vegas e Boulder, os pesquisadores determinaram que 50% dos COV causados ​​pelo homem no centro de Las Vegas eram devidos a produtos químicos. A outra metade foi dividida entre tráfego e emissões de cozinha. Eles estimaram que as emissões de alimentos representavam 20% dos ‘COV antropogênicos’ em Las Vegas. Claramente, as pessoas lá estão jogando suas próprias vidas apenas por comerem alimentos cozidos.

Fica pior. Um estudo britânico descobriu que ‘o hálito humano exalado pode conter concentrações pequenas e elevadas de metano e óxido nitroso, os quais contribuem para o aquecimento global’. Os ‘cientistas’ pediram cautela na suposição ‘de que as emissões dos seres humanos são insignificantes’.

E, meu Deus! Os ‘cientistas’ ‘reportam apenas emissões respiratórias neste estudo, e as emissões de gases provavelmente aumentarão estes valores significativamente’. Igualmente ruins para o planeta, concluíram eles, são as emissões exaladas pelo gado e por ‘outros’ animais selvagens (e pensávamos que o gado fosse domesticado).”

Nem vale a pena criticar, mais uma vez, a ONU pela sua incompetência e inoperância ao ultrapassar os limites para os quais foi criada. Mais trágica é a postura do Banco Mundial. Aqui no Brasil, o Banco Central e a Febraban são fiéis seguidores das atitudes do Banco Mundial e seguem a sua cartilha. Ainda não perceberam a única finalidade das casas bancárias – cuidar competentemente do dinheiro que lhes foi confiado. As normas instituídas pela Febraban não apenas sabotam a produção de alimentos em nosso país: vão além, sabotam os próprios bancos ao atacar os clientes que os fizeram ricos. Como encarar tantas asneiras?

“(O Brasil) é um país novo de que eu gosto há muitos anos. É um país otimista, não está cansado, não está desiludido, sem esperança. Mesmo que agora haja tanta asneira feita no Brasil, todos os dias, não é? Só que eles têm espaço e tempo para uma maior dose de asneira do que nós.” Miguel Sousa Tavares, jornalista, editor, escritor e comentarista político português.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Embora o vírus até agora não tenha mostrado nenhuma evidência genética de adquirir a capacidade de se espalhar de pessoa para pessoa, as autoridades de saúde pública estão monitorando de perto a situação da vaca leiteira como parte dos esforços gerais de preparação para a pandemia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER