Como as principais empresas de laticínios estão lidando com suas metas de emissões de Escopo 1, 2 e 3, e quanto carbono algumas das regiões produtoras de laticínios do mundo estão emitindo.
emissões
"as principais empresas de laticínios estão lidando com suas metas de emissões de escopo 1, 2 e 3, e qual a quantidade de carbono emitida por algumas das regiões produtoras de laticínios globais"
Isso é de acordo com a pesquisa realizada pelo ING, que também analisa como os aditivos de ração que reduzem o metano e outras medidas de sustentabilidade podem influenciar os custos de produção e a competitividade; como as principais empresas de laticínios estão lidando com suas metas de emissões de escopo 1, 2 e 3, e qual a quantidade de carbono emitida por algumas das regiões produtoras de laticínios globais.

De acordo com o relatório, quase todas as empresas entre os 30 maiores processadores de laticínios da Europa, América do Norte, Nova Zelândia, Austrália e China comunicaram uma meta de redução de carbono de escopo 1 e 2, enquanto dois terços estabeleceram uma meta de escopo 3.

O ING estima que a maioria das emissões no setor de laticínios (80-85% a montante e 10-15% a jusante) é de escopo 3; essas são emissões indiretas que ocorrem tanto a montante quanto a jusante da cadeia de valor. O restante (cerca de 5%) são emissões de escopo 1 e 2, que normalmente ocorrem durante a produção e o transporte de produtos lácteos.

As metas de escopo 3 definidas pelas principais empresas de laticínios são, em geral, baseadas na intensidade e não em metas absolutas, o que poderia “criar tensão com as metas nacionais de emissões para a agricultura, que exigem uma redução absoluta”, observa Thijs Geijer, economista sênior do setor e autor do relatório.

No entanto, o economista do banco diz que as metas absolutas estão “ganhando força”, uma vez que elas são frequentemente exigidas pela SBTi, a organização sem fins lucrativos que administra a única estrutura global para metas corporativas de emissões líquidas zero de acordo com a ciência climática.

Medidas populares de sustentabilidade podem elevar os preços do leite

De acordo com o relatório, as medidas que estão recebendo “muita atenção” no setor – desde aditivos para ração que suprimem o metano até o sequestro de carbono e a introdução de digestores anaeróbicos – vêm com uma série de desafios e provavelmente levariam a aumentos no preço do leite.

Por exemplo, o ING estima que a implementação de aditivos de ração que reduzem o metano poderia aumentar o preço do leite ao consumidor por litro em um centavo de euro, mas também ajudaria a reduzir as emissões em 10% por litro.

feed

Fonte: Pesquisa do ING

Enquanto isso, a construção de digestores anaeróbicos normalmente exige um investimento único e elevado e produz um biometano caro, ao passo que o sequestro do solo apresenta uma série de ressalvas, incluindo a baixa rentabilidade da venda de créditos de carbono.

No entanto,

recompensas financeiras para os agricultores são mais comuns,

Geijer observa, acrescentando que, para atingir suas metas, as empresas de laticínios teriam “muito trabalho missionário” a fazer, e isso envolve conseguir que grupos “grandes e diversos” de agricultores se unam em torno dessas metas. Fornecer “ferramentas e incentivos adequados terá um papel fundamental aqui, o que, por sua vez, deve dar mais poder de negociação aos agricultores”.

Mas, fundamentalmente, repassar os custos extras das medidas de sustentabilidade seria crucial para manter a competitividade. Fortalecer as parcerias com clientes corporativos – incluindo FMCGs, varejistas e empresas de serviços de alimentação – seria fundamental, pois essas são as partes da cadeia de suprimentos que estariam procurando produtos de baixo impacto e exigiriam compromissos de longo prazo dos fornecedores.

Outra maneira é buscar uma mudança nos portfólios de produtos, por exemplo, aumentando os volumes de produtos de baixa emissão.

Mas repassar esse aumento de custos aos consumidores é uma opção menos viável, de acordo com a pesquisa. “Por si só, a redução de carbono não é um fator determinante no comportamento de compra dos consumidores”, diz Geijer. “Aspectos como preço, sabor e saúde são muito mais importantes.”

No entanto, é provável que haja um aumento nos preços ao consumidor, embora o ING não espere que seja muito acentuado. Geijer: “Os esforços do setor de laticínios terão um impacto sobre os preços ao consumidor? Acreditamos que sim, pois eles exigem investimentos e esforços tanto nas fazendas quanto nas instalações de produção. (…)

No entanto, como os processadores de laticínios têm dificuldade em obter prêmios de sustentabilidade do mercado, não esperamos nenhum aumento acentuado nos preços ao consumidor devido aos esforços de sustentabilidade no curto prazo.”

O relatório está disponível na íntegra no site do ING.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER