Competição vai reconhecer os melhores queijos e melhor queijeiro do País
queijos
"Projeto de Queijos Finos do Biopark compete no Mundial de Queijos do Brasil, em São Paulo"
O Biopark está marcando presença na 3ª edição do Mundial de Queijos do Brasil, evento que está acontecendo de 11 a 14 de abril, em São Paulo. Competindo nas categorias “Queijos do Brasil” e “Melhor Queijeiro do Brasil”, o Ecossistema participa neste ano com 17 queijos finos desenvolvidos pelo seu Laboratório de Queijos Finos, sendo nove queijos da Queijaria Flor da Terra e oito de produtores que participam do Projeto.

O projeto está sendo representado pelo responsável técnico e supervisor da Queijaria Flor da Terra, Henrique Herbert, e pelo pesquisador do Projeto de Queijos Finos, Kennidy Bortoli.

A intenção do projeto é elevar ainda mais o padrão de qualidade, que já obteve três medalhistas na edição passada. No prêmio Queijos Brasil, a premiação vai avaliar aproximadamente dois mil queijos de 17 estados brasileiros, destacando-se como uma das mais importantes vitrines da diversidade e qualidade da produção queijeira nacional.

A primeira fase do prêmio Queijos do Brasil ocorre nesta sexta-feira (12) no grande salão do teatro B32, onde os queijos são julgados e reconhecidos com as categorias super ouro, ouro, prata e bronze. A etapa seguinte leva os queijos “super ouro” ao auditório, onde um grupo de 300 jurados vai decidir qual será coroado como o melhor queijo do concurso.

Em paralelo, no sábado (13) acontece o concurso de Melhor Queijeiro do Brasil, no qual o Biopark compete com o queijo “Entardecer do Oeste”. “É uma massa prensada semicozida, de textura levemente elástica, mas com uma massa firme e fechada. Os sabores serão ácidos, frescos, láticos, de creme de leite, de carne maturada, complexos, com um visual diferenciado”, destacam os representantes do Biopark no evento, Henrique e Kennidy.

A expectativa este ano é trazer mais medalhas para o Oeste do Paraná. “O que posso dizer é que eles realmente inovaram para superar cada fase desta competição, incorporando conhecimento técnico, criatividade e toda a bagagem da prática queijeira para levar novidades e autenticidade aos queijos que eles produziram. Estamos na torcida”, finaliza Carolina Trombini, gerente de Pesquisa do Biopark.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER