O tema do Fórum de Lácteos da Associação Internacional de Alimentos Lácteos deste ano foi "Elevar os laticínios". Em seu discurso de abertura, o presidente e CEO Michael Dykes compartilhou várias maneiras de elevar o setor de laticínios, e uma delas foi reacender nosso fogo competitivo.
laticínios
Os EUA exportam atualmente cerca de 18% de sua produção de leite, mas para acompanhar o crescimento projetado até 2030, as exportações precisarão aumentar para mais de 22%,
“O mundo exige mais dos laticínios dos EUA”, disse Dykes, um veterinário que cresceu em uma fazenda de laticínios no Kentucky. “Precisamos conquistar esse mercado. Podemos nos tornar o fornecedor dominante do mundo.”

Ele enfatizou a importância das oportunidades de exportação. “Precisamos ter certeza de que estamos nos unindo em políticas de preços que nos permitam ser competitivos globalmente para que possamos atender às necessidades e exigências dos clientes, para que possamos nos tornar o fornecedor confiável”, disse ele.

Dykes compartilhou que os EUA exportam atualmente cerca de 18% de sua produção de leite, mas para acompanhar o crescimento projetado até 2030, as exportações precisarão aumentar para mais de 22% de nossa produção.

“Precisamos de um plano de jogo para isso”, afirmou Dykes. “Precisaremos criar mercados competitivos em nível global. Precisaremos nos defender contra as barreiras comerciais injustas. Precisaremos expandir nossos acordos existentes e trabalhar em novos acordos. Precisaremos pensar em novas ferramentas e novas políticas.” Ele disse que também precisamos formar novas alianças, bem como desenvolver infraestrutura, como caminhões, ferrovias e portos de embarque.

Ele chamou o quadro das exportações de laticínios dos EUA de uma história de dois mundos, “o melhor e o pior dos tempos”. Embora o volume e o valor das exportações tenham caído no ano passado, ele aplaudiu o tremendo trabalho realizado nos últimos 20 anos para que as exportações chegassem ao ponto em que estão.

Dykes reconheceu algumas das questões comerciais não resolvidas, como a disputa de TRQ com o Canadá no USMCA. E embora os EUA tenham importado mais alimentos e produtos agrícolas em 2023 do que exportado, o que foi a primeira vez na história que isso aconteceu, ele disse que muito mais laticínios foram exportados do que importados. “Temos uma boa história para contar”, enfatizou Dykes.

Ele também discutiu a oportunidade de expandir nosso mercado. A Índia ultrapassará a China como a nação mais populosa do mundo até 2100, e seis das dez economias de crescimento mais rápido estarão na África. Dykes compartilhou que um terço da população global vive na África e na Índia atualmente. “Precisamos estar onde as pessoas estão. Precisamos diversificar nossos mercados”, disse ele.

Dykes destacou a importância de nos unirmos em termos de preços que funcionem para os agricultores e processadores, para que possamos atender às necessidades do comércio internacional e sermos competitivos em nível global.

“Seremos muito, muito mais fortes e muito, muito mais eficazes quando estivermos unidos”, concluiu.

Veja também

A Danone afirma que está vendo um aumento na demanda por seus iogurtes de alta proteína e baixa caloria nos EUA, que atribui à febre pelos novos tratamentos estreitamente relacionados ao medicamento para diabetes Ozempic.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER