Mas quando se trata de sabor e propriedades químicas, os diferentes tipos de embalagem têm sua própria influência distinta no leite fluido.
Para determinar como os materiais afetam as propriedades sensoriais e químicas do leite, os pesquisadores  realizaram um teste.
Para determinar como os materiais afetam as propriedades sensoriais e químicas do leite, os pesquisadores  realizaram um teste.Para determinar como os materiais afetam as propriedades sensoriais e químicas do leite, os pesquisadores  realizaram um teste.
É de conhecimento geral que as propriedades nutricionais e sensoriais do leite podem ser afetadas pelo tipo de recipiente em que ele é armazenado.

As garrafas de vidro são conhecidas por reter o sabor; plásticos como PET (polietileno tereftalato) e HDPE (polietileno de alta densidade) têm fortes propriedades de barreira e são recicláveis; e os recipientes de papelão são bons para bloquear a luz.

Mas quando se trata de sabor e propriedades químicas, os diferentes tipos de embalagem têm sua própria influência distinta no fluido.

Para determinar como os materiais de embalagem afetam as propriedades sensoriais e químicas do leite, os pesquisadores liderados por MaryAnne Drake, diretora do Southeast Dairy Foods Research Center da North Carolina State University, realizaram um teste.

Eles colocaram leite pasteurizado integral e desnatado em seis tipos de embalagem – vidro âmbar, PEBD (polietileno de baixa densidade), PEAD, PET, PEBDL (polietileno linear de baixa densidade) e caixa de papelão – e realizaram uma análise das propriedades sensoriais e dos compostos voláteis, primeiro no momento do processamento inicial e novamente nos dias 5, 10 e 15. Todas as amostras foram armazenadas a 4°C em total escuridão. No décimo dia, 50 consumidores foram convidados a provar os leites e registrar as diferenças de sabor e cheiro que encontraram.

Do gosto de papel às concentrações de estireno

O estudo mostrou que havia diferenças distintas de sabor em todos os tipos de embalagem para leite integral e desnatado, embora o leite desnatado parecesse ser mais suscetível a sabores estranhos do que o integral. Enquanto isso, o papelão e o PEBDL (bolsas de plástico) foram os menos capazes de preservar o frescor do leite.

Os leites embalados em caixas de papelão ou bolsas plásticas apresentaram “menos sabores aromáticos cozidos e doces com o tempo de armazenamento e um sabor distinto de geladeira/estadia” em comparação com os leites armazenados em recipientes de PET, PEAD e PEBD. O leite embalado em papelão também tinha um “sabor de papel” mais forte poucas horas após a embalagem, com resultado semelhante para o leite embalado em PEBDL, que tinha “sabor de geladeira” no dia 0.

A transferência química também foi mais evidente no leite embalado em caixas de papelão e em sacos plásticos. De acordo com os resultados, esses leites tinham concentrações mais altas de compostos voláteis de gosto de geladeira/embalagem, como o estireno, em comparação com os leites envasados em LDPE, HDPE, PET ou vidro. “As barreiras mais permeáveis das caixas de papelão e do PEBDL podem ser a causa do aumento das concentrações de estireno e acetofenona, que migram para o leite a partir do ambiente de refrigeração”, explicaram os autores no artigo.

Quando se tratou dos testes com consumidores, os participantes detectaram diferenças entre o leite envasado em embalagens cartonadas e em vidro, mas não conseguiram detectar diferenças entre PET e vidro, ou PEAD e vidro. Os leites desnatado e integral envasados em PET, HDPE e vidro foram considerados semelhantes em termos de perfil de sabor.

Novas alternativas?

De acordo com o USDA, o PEAD e o PET representam mais de 85% das vendas de embalagens de leite fluido nos EUA, enquanto as caixas de papelão representam cerca de 14%. No entanto, as embalagens cartonadas são o tipo de embalagem mais predominante nos programas de merenda escolar do país, o que leva a questionar se novos tipos de embalagem devem ser introduzidos para combater as percepções potencialmente negativas sobre o leite entre as crianças.

“Nossas descobertas sugerem que o setor e os formuladores de políticas devem buscar novas alternativas de embalagem para o leite fluido da merenda escolar”, observaram os autores. “As consequências do uso de embalagens de leite fluido que contribuem com sabores estranhos significativos, ao longo do tempo, podem afetar a forma como as crianças pequenas, e essas crianças quando adultas, percebem o leite fluido.”

 

 

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER