O TecLeite MS será um marco para a pecuária leiteira do estado, oferecendo conhecimentos que vão desde a melhoria da qualidade do leite até técnicas de produção de leite de baixo carbono.
O TecLeite MS espera receber um público de 350 pessoas, composto por 80% de produtores de leite de pequeno, médio e grande porte.
O TecLeite MS espera receber um público de 350 pessoas, composto por 80% de produtores de leite de pequeno, médio e grande porte.
Nesta quinta-feira (27 de junho) a partir das 7h30 será realizado o TecLeite, evento em formato de dia de campo que visa promover a transferência de tecnologias para produtores de leite do Estado.

Inédita em Mato Grosso do Sul, a iniciativa é promovida pela Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) e pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, unidade Gado de Leite – de Minas Gerais). A programação acontecerá no Cepaer (Centro de Pesquisa e Capacitação da Agraer), em Campo Grande, saída para Rochedo.

O TecLeite MS espera receber um público de 350 pessoas, composto por 80% de produtores de leite de pequeno, médio e grande porte. Esta é a primeira edição do evento em Mato Grosso do Sul, embora já seja tradicional em estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

Washington Willeman, diretor-presidente da Agraer, destacou a relevância do TecLeite MS. “Este evento é uma oportunidade crucial para o intercâmbio de conhecimento entre profissionais e trabalhadores da cadeia produtiva de leite. Promovemos networking e discutiremos alternativas para resolver os gargalos do setor. É um momento importante para fortalecer a produção local e adotar práticas sustentáveis.”

José Carlos Gasperoni, servidor da Agraer e um dos responsáveis pela organização do evento, ressaltou a importância de alinhar o TecLeite MS com as diretrizes do governo estadual de baixo carbono e produção verde. “Teremos palestras sobre ‘Produção de leite baixo carbono’, ‘Apresentação do sistema de produção de leite do Cepaer/Agraer’, ‘Boas práticas de manejo de ordenha’ e ‘Manejo sustentável do rebanho leiteiro’.

Nossa intenção é trazer profissionais da Agraer e pesquisadores da Embrapa de Minas Gerais para compartilhar conhecimentos que atendam às expectativas do mercado e dos consumidores, além de serem viáveis e necessárias para a realidade dos produtores.”

Está prevista a presença do governador do Estado, Eduardo Riedel e do secretário da Semadesc, Jaime Verruck. Além do diretor-presidente da Agraer, Washington Willeman, e o chefe de transferência de tecnologia da Embrapa Gado de Leite (Minas Gerais), Fábio Homero, além de autoridades locais.

Programação – Às 7h30 inscrições e café da manhã, na sequência, às 8h30 será a abertura do evento e a palestra “Produção de Leite Baixo Carbono”, com a pesquisadora Vanessa Romário de Paula, da Embrapa Gado de Leite (MG).

O trabalho de campo começa às 9h30 com as visitas dos participantes as três estações sendo elas: “Apresentação do Sistema de Produção de Leite do Cepaer”, com os pesquisadores da Agraer, Vitor de Oliveira e Camila Pellizzoni; “Boas Práticas de Manejo de Ordenha”, com a pesquisadora da Agraer, Tatiane Batistoti, e “Manejo Sustentável do Rebanho Leiteiro”, com o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Bruno de Carvalho.

Às 11h30 o público poderá visitar os estandes das instituições parceiras e ao meio-dia será o encerramento do evento.

O 1º TecLeite MS é uma realização do Governo do Estado, por meio da Agraer e Semadesc – Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação, e da Embrapa, órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, o Ministério da Agricultura e Pecuária e o Governo Federal. Informações sobre o evento acompanhe o Instagram (agraerms).

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

a glass of fresh milk isolated on a transparent background, a refreshment breakfast drink glass image PNG

Veja também

Os produtores de leite no Brasil enfrentam incertezas com os preços em baixa e as importações. Na análise do secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul, Darlan Palharini, a recuperação da cadeia produtiva vai depender da melhoria nos custos de produção.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER