Quando analisaram a intolerância à lactose entre os pastores da Mongólia e os residentes urbanos, descobriram que os pastores apresentavam pouquíssimos sintomas de intolerância à lactose e uma baixa presença de hidrogênio.
Atualmente, a persistência da lactase é comum em pessoas de ascendência europeia, bem como em alguns grupos africanos, do Oriente Médio e do sul da Ásia. Lactose
Atualmente, a persistência da lactase é comum em pessoas de ascendência europeia, bem como em alguns grupos africanos, do Oriente Médio e do sul da Ásia.

Intolerância à lactose

O leite é rico em proteínas, vitaminas e minerais e tem servido como uma importante fonte de alimento desde os tempos pré-históricos. Durante grande parte da história humana, o leite foi consumido em várias partes do mundo e ajudou a moldar a civilização. Mas a história genética e nutricional é complexa para a maioria da população mundial.

“Produzimos quase 700 milhões de toneladas de leite todos os anos”, diz Christina Warinner, professora associada de antropologia da Universidade de Harvard e líder do grupo de Ciências do Microbioma no Departamento de Arqueogenética do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, Alemanha. “E, no entanto, sabemos que a maior parte da população mundial tem muita dificuldade para digerir leite fresco.

Então, como chegamos ao ponto em que temos esse alimento, que é difundido globalmente e consumido em tantos lugares diferentes e em todos os continentes em diferentes contextos, e ainda assim achamos muito difícil digeri-lo?”, pergunta ele.

Quando os seres humanos são bebês, eles produzem uma enzima chamada lactase que ajuda a digerir a lactose, um açúcar encontrado no leite, mas quando adultos eles param de produzi-la, levando à intolerância à lactose, uma condição presente em 65% da população humana adulta em todo o mundo.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

“Quando você se torna adulto, não produz mais lactase e a lactose passa sem ser digerida para o intestino grosso, que é repleto de trilhões de bactérias”, diz Warinner. “Elas ficam mais do que felizes em ajudar você a digerir a lactose. O problema está no processo, pois elas produzirão cerca de oito litros de gás hidrogênio para cada litro de leite que você consumir.”

A história da pecuária leiteira se desenvolveu ao longo de milhares de anos, desde suas origens na região que abrange a Ásia Ocidental, os Bálcãs e o norte da África até sua migração para a Europa e depois para o mundo todo.

Os cientistas acreditaram durante décadas que os primeiros agricultores neolíticos desenvolveram uma mutação genética que lhes permitiu produzir lactase durante a idade adulta para digerir adequadamente o leite. Essa mudança se mostrou benéfica quando eles migraram para a Europa, o que os ajudou a se espalhar pelo continente e substituir a maioria dos caçadores-coletores anteriores, disse Warinner.

Atualmente, a persistência da lactase é comum em pessoas de ascendência europeia, bem como em alguns grupos africanos, do Oriente Médio e do sul da Ásia.

Novos avanços científicos, incluindo a análise de DNA antigo e o sequenciamento do genoma, descobriram que não havia persistência de lactase entre os primeiros agricultores durante a era neolítica e levantaram questões sobre quando essa mutação genética ocorreu, disse Warinner.

“Isso abre uma grande questão porque, do ponto de vista médico, explicamos a tolerância à lactose com base nessas mutações ou adaptações”, disse Warinner. “E, no entanto, há 4.000 anos as pessoas produzem laticínios; elas desenvolveram todo esse alimento de propósito e depois não tinham base genética para digeri-lo. Como isso funciona?”

Uma abordagem interdisciplinar

O professor usou uma abordagem interdisciplinar, incluindo arqueologia, antropologia e etnografia, para reconstruir a pré-história do leite, as origens da produção de laticínios e sua disseminação pelo mundo.

A história da pecuária leiteira se desenvolveu ao longo de milhares de anos, desde suas origens na região da Ásia Ocidental, nos Bálcãs e no norte da África até sua migração para a Europa e depois para o mundo todo.

Essa pesquisa levantou algumas questões, como, por exemplo, como é possível desenvolver esse produto se não há base genética para digeri-lo? Essa é uma questão que Warinner vem tentando resolver em sua pesquisa.

Mongólia, um país com um longo histórico de produção de laticínios

A pesquisa de Warinner a levou à Mongólia, um país com uma longa história de produção de laticínios, cuja economia ainda é centrada na produção de laticínios e onde os pastores locais ordenham mais espécies de gado do que em qualquer outro lugar do mundo.

Quando analisaram a intolerância à lactose entre os pastores da Mongólia e os residentes urbanos, descobriram que os pastores apresentavam pouquíssimos sintomas de intolerância à lactose e uma baixa presença de hidrogênio.

 

Buscan reconstruir genomas de antiguos mongoles para ver si mostraban signos de persistencia de lactasa. EFE
Eles estão procurando reconstruir os genomas dos antigos mongóis para ver se eles apresentavam sinais de persistência da lactase. EFE

 

Eles também descobriram que o microbioma intestinal dos pastores tinha um grande volume de bactérias do ácido lático, ou probióticos, que podem ajudar na digestão, bem como bifidobactérias, ou bactérias saudáveis que são especialmente abundantes em bebês jovens e ajudam a metabolizar a lactose sem produzir hidrogênio.

“Há um caminho, que é alterar o genoma humano, e vimos isso em várias populações do mundo, mas um caminho alternativo parece ser alterar os micróbios com os quais interagimos por meio dos alimentos e do nosso próprio microbioma intestinal”, diz Warinner.

Quanto às perguntas que guiarão sua próxima pesquisa, Warinner disse: “Que mudança causou as adaptações genéticas que ocorreram em algumas populações? Não sabemos qual foi o gatilho ou por que na Mongólia, mesmo quando foi introduzido, nunca foi selecionado. Essas são questões em aberto que esperamos resolver.

 

Leia também

Leite, o mais nobre dos alimentos e um longo caminho para casa – eDairyNews-BR

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Conheça As Variedades E Benefícios Para A Saúde E O Bem-Estar dos queijos.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER