Projeto é parte da meta global da Nestlé de plantar 200 milhões de árvores nativas até 2030 em biomas onde há produção de ingredientes usados pela companhia em todo o mundo.
Nestlé, O produtor que aceitar participar do programa vai receber US$ 75 (o equivalente a R$ 412) por hectare
O produtor que aceitar participar do programa vai receber US$ 75 (o equivalente a R$ 412) por hectare
Nestlé Brasil anunciou que irá restaurar quatro mil hectares de áreas degradadas de Cerrado e de Mata Atlântica, com o plantio de seis milhões de árvores e o cultivo dessas espécies durante 30 anos.

O projeto é parte da meta global da empresa de plantar 200 milhões de árvores nativas até 2030 em biomas onde há produção de ingredientes usados pela companhia em todo o mundo. No Brasil, o programa será implementado em Minas Gerais, onde a empresa tem fornecedores de leitecafé e cacau.

“É fundamental fazer esse esse cruzamento entre, obviamente, a necessidade de restaurar a natureza, mas ao mesmo tempo o que é relevante para o nosso negócio, para garantir que a gente também tenha uma sustentabilidade ao longo do tempo”, afirma Barbara Sapunar, diretora executiva de Business Transformation na Nestlé Brasil.

Dois terços das emissões de carbono da Nestlé Brasil vêm das práticas agrícolas, o que faz com que a preocupação com a agricultura seja o principal pilar dos programas de sustentabilidade da companhia, que planeja ser carbono neutro em 2050.

O plano de Nestlé Brasil é comemorado na companha como o maior projeto de restauração ambiental lançado no País até agora. Em entrevista ao Estadão, o CEO da empresa, Marcelo Melchior, afirma que o objetivo é ampliar o programa, conforme ele for testado e consolidado. “Tenho a convicção de que nós seremos muito mais ambiciosos”, afirma o executivo.

Só no ano passado, mais de 1,110 milhão de hectares foi derrubado no Cerrado brasileiro, e o bioma ultrapassou, pela primeira vez, a devastação na Amazônia, segundo o Relatório Anual do Desmatamento lançado em maio pelo MapBiomas. Na Mata Atlântica, foram devastadas áreas equivalentes a 200 campos de futebol por dia, em 2023.

O Brasil pode conciliar pecuária ‘verde’ e controle do desmatamento? Entenda

Qual a saída para o País enfrentar o seu maior desafio na jornada de controle das emissões de gases de efeito estufa? E quais as oportunidades para o produtor?

Os proprietários de terra que aceitarem ceder área de seu território para o projeto podem ou não ser fornecedores da Nestlé. A empresa no Brasil se comprometeu a, até 2025, comprar 30% das principais matérias-primas (leite, café e cacau) de propriedades que usam técnicas de agricultura regenerativa.

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

O financiamento será integralmente feito pela Nestlé e o projeto será gerenciado pela empresa australiana NatureCo. A parceira local para o projeto é a ONG mineira Instituto Espinhaço, que tem foco em reflorestamento para recuperação de bacias hidrográficas.

O produtor que aceitar participar do programa vai receber US$ 75 (o equivalente a R$ 412) por hectare, no momento do plantio, além de ter direito a 10% do total de créditos de carbono gerados durante o projeto. O fazendeiro também vai ter apoio para a regularização ambiental da propriedade, além de ter outros benefícios ligados ao restauro da área que têm potencial de aumentar a produtividade e a renda das propriedades participantes.

A Nestlé Brasil não divulgou qual foi o valor do investimento no novo projeto no Brasil, que estará concentrado no Estado de Minas Gerais, e nem quanto de carbono a companhia espera compensar com o plantio das seis milhões de árvores.

 

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

O Sebrae Teixeira de Freitas está desempenhando um papel fundamental no fomento e fortalecimento do setor de Queijarias Artesanais no Extremo Sul da Bahia.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER