Primeira fazenda com Selo Leite de Zebu da ABCZ, Estância Silvania recebe missão técnica durante o 3º Mundial do Queijo
LEITE
"Falamos bastante sobre o pioneirismo da Estância Silvania na produção de leite A2 e em questões como o bem-estar animal, que é uma prioridade"
No decorrer da terceira edição do Mundial do Queijo, evento que reúne produtores de lácteos de todo o mundo para eleger os melhores queijos, além de uma programação técnica e comercial, a Estância Silvania, primeira propriedade com Selo Leite de Zebu, recebeu uma missão técnica da Guilde Internationale des Fromagers, um dos organizadores do Mundial.

Para a criadora e mestre queijeira à frente da Estância Silvania, Camila Almeida, a visita foi uma oportunidade de mostrar o sistema de produção 100% Gir Leiteiro a pasto, sem utilização de hormônios e ordenha mecânica com o bezerro ao pé.

A propriedade recebeu uma comitiva da Guilde, composta pelo seu presidente, Roland Barthélemy, além de membros da entidade da França, Canadá, Espanha, Colômbia e Brasil. A Gerente do PMGZ Leite Max, Mariana Alencar, também participou.

“Falamos bastante sobre o pioneirismo da Estância Silvania na produção de leite A2 e em questões como o bem-estar animal, que é uma prioridade. Os visitantes acompanharam o nosso processo de ordenha e fizeram degustação dos queijos Silvania, premiados no Brasil e no exterior”, comemora Camila.

A criadora ressalta que o sistema de produção adotado na Estância é raro na Europa, por isso, a visita proporcionou uma valiosa troca de experiências com todos os envolvidos. “Eles ficaram impressionados com a docilidade dos animais e com a qualidade do leite”, aponta.

Para Mariana, a missão técnica foi mais uma oportunidade de demonstrar o potencial das raças zebuínas – neste caso, o Gir Leiteiro – para a cadeia produtiva e para a fabricação de produtos de alta qualidade. “No Brasil, 80% do material genético que produz o leite usado no setor de lácteos tem origem zebuína. Trata-se de um leite principalmente oriundo de animais criados a pasto, com valor de sólidos agregado”, explica a Gerente.

Veja também

“Diga-me o que você come e eu lhe direi quem você é”, do gastrônomo e jurista francês Brillat-Savarin, e “Nós somos o que comemos”, do

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Australia

Don’t cry for me Australia: como os laticínios da Austrália estão seguindo os passos da Argentina

O Brasil, em 2022, atingiu 885.000 toneladas métricas entre vários tipos de queijos tropicais e europeus.

Dados saborosos sobre o consumo e a produção de queijo em todo o mundo, que vão dar água na boca

Publicidade

Publicidade em tempos de crise: a estratégia que pode fazer a diferença entre o sucesso e a sobrevivência do seu negócio de laticínios

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER