Os búfalos vem conquistando no mercado brasileiro, com taxa de crescimento de mais de 10% ao ano. O setor emprega mais de 40 mil trabalhadores e movimenta mais de R$ 1 bilhão ao ano em toda a cadeia produtiva.
João Sousa e Caio Rossato, da Associação Brasileira de Criadores de Búfalo, com animais expostos na Megaleite
João Sousa e Caio Rossato, da Associação Brasileira de Criadores de Búfalo, com animais expostos na Megaleite
Fugindo um pouco da macroeconomia, chama a atenção o espaço que os criadores de búfalos e a cadeia produtiva da bubalinocultura vem conquistando no mercado brasileiro, com taxa de crescimento de mais de 10% ao ano.

A atividade desponta como sustentável e, segundo os produtores, mais saudável, apelo que deve assegurar a continuidade do crescimento.

Hoje no Brasil existem mais de 17 mil criadores e cerca de 2 milhões de cabeças de bubalinos. O setor emprega mais de 40 mil trabalhadores e movimenta mais de R$ 1 bilhão ao ano em toda a cadeia produtiva que, além do leite, comercializa também a carne de búfalo. Os dados são da Associação Brasileira dos Criadores de Búfalo (ABCB).

EDAIRY MARKET | O Marketplace que Revolucionou o Comércio Lácteo

Hoje, segundo Rossato, 12 laticínios estão certificados com o Selo de Pureza ABCB – 100% Leite de Búfala e juntos processaram 15 milhões de litros de leite no ano passado, devendo elevar esse volume para 17 milhões neste ano. “O leite é todo para a produção de queijo, com muito pouco sendo comercializado in natura”, diz Rossato, que participou da Megaleite, em Belo Horizonte, na semana passada.

Para a exposição, a ABCB trouxe para o Parque de Exposições da Gameleira, 50 animais e promoveu degustações tanto dos produtos com o leite de búfala, quanto com os cortes da carne de bubalinos, que, segundo Rossato, são tão macias e saborosas quanto os bovinos.

O crescimento da criação de búfalos ocorre por fatores como a perspectiva de um animal ser criado tanto no regime intensivo como no extensivo e seu manejo, que exige área com água e sombra, tendo um custo cerca de 20% menor do que o de uma vaca, com o leite e os produtos tendo um valor de venda maior.

“O valor é mais de 50% superior e outro diferencial é que o rendimento industrial do leite é praticamente o dobro do bovino e isso entra também no papel de sustentabilidade, porque você consegue produzir mais queijo com metade do volume do leite utilizado”, detalha Caio Rossato. “Isso é o que tem chamado a atenção e trazido muitos criadores e muitas indústrias para o setor”, acrescenta Rossato, que cria búfalos em São Paulo.

João Souza, coordenador do programa de qualidade da ABCB e diretor-executivo do Laticínios Bom Destino, avalia que o crescimento da produção de leite está maior este ano. “O crescimento do volume de leite está em torno de 35% a 40%, isso porque a atividade cada vez mais vem chamando a atenção dos produtores e mais produtores estão entrando no negócio e os que já estão vem melhorando, cuidando da genética, cuidando melhor e produzindo mais”, afirma o diretor-executivo do Bom Destino, laticínio mineiro que cria búfalos e processa o leite em Oliveira.

O Bom Destino surgiu há 35 anos com bovinos, mas trocou de espécie e há 23 anos trabalha com búfalos.

Para o consumidor, Rossato destaca o fato de o queijo de búfala conter mais cálcio, minerais e proteína em uma porção menor e o preço se justifica pelo processo de elaboração ser mais complexo e pelo fato de a produção de leite de búfala ser ainda muito pequena em relação à de leite bovino. “Isso acaba levando a um custo de produção maior e a uma logística mais cara”, observa Rossato ao admitir que hoje os derivados de búfala ainda não são produtos populares.

 

https://whatsapp.com/channel/0029VaPv8js11ulUrj2kIX3I

Veja também

Relatório da Changing Markets Foundation aponta de maneira geral as áreas em que grandes empresas do setor no mundo podem melhorar suas medidas para reduzir as emissões.

Você pode estar interessado em

Notas
Relacionadas

Mais Lidos

1.

2.

3.

4.

5.

Destaques

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER